A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

30/03/2014 09:03

Com 2 mortes em 24h, projeto ganha força por acalmar ânimos de vizinhos

Bruno Chaves
Briga entre vizinhos no Monte Castelo terminou com um homem morto (Foto: Pedro Peralta)Briga entre vizinhos no Monte Castelo terminou com um homem morto (Foto: Pedro Peralta)

A famosa política da boa vizinhança ajuda a evitar qualquer tipo de conflito com quem mora ao lado, seja em casa ou apartamento. O bom senso, a tolerância e o respeito evitariam confusões por causa de som alto, festas, cachorros e até barulho das crianças. Na teoria é fácil, mas casos de confusões envolvendo pessoas que dividem o mesmo muro podem chegar ao extremo, como a morte. Só em Campo Grande, na última semana, foram registrados dois casos de assassinatos envolvendo vizinhos.

Dados da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul apontam que mais de 90% dos homicídios registrados nas cidades são ocasionados por pequenos conflitos, como, por exemplo, briga entre vizinhos. Esse índice mudaria se houvesse “respeito ao limite do próximo”, acredita a advogada Carolina Ávila Ferreira. “É necessário respeitar para viver bem e se houver conflito, devem sentar e conversar, sem partir para a violência”, afinal, ambos moram lado a lado.

Essa conduta ajudaria a resolver problemas como os de Vanderlei Bazzi de Oliveira, 31 anos, e de Edenílson Rocha Fonseca, 30. Mesmo com a intervenção das esposas dos dois, que moravam no mesmo terreno no Jardim Los Angeles, o segundo pegou uma arma e acabou matando o primeiro após uma discussão no último dia 25.

Outro caso que chocou a Capital na semana que passou foi o dos vizinhos Rodrigo José Rech, 31, e Carlos Roberto Cerqueira, 56, no Monte Castelo. O mais velho, que é policial civil aposentado, executou o mais novo com quatro tiros. O motivo: discussão por causa de um imóvel. Nesse caso, o fato de o policial ser aposentado por esquizofrenia deixa a situação mais complexa, mesmo existindo 34 boletins de ocorrências entre os dois desde 2007.

Uma situação mais amena envolvendo vizinhos e confusão aconteceu no último domingo (23) com o estudante Renato Alves, 26 anos. Ele, que mora em um residencial próximo a Avenida Júlio de Castilho, enfrentou uma avalanche de críticas de vizinhos porque resolver fazer uma festa, mesmo durante o dia. “Eu até entendi porque moro em condomínio e som alto atrapalha os vizinhos. Mas acho que as pessoas poderiam ser mais tolerantes. Quando será que vou poder fazer um churrasco com amigos e sem incomodar os outros?”, questionou.

Delegado conta que projeto piloto de mediação desperta interesse de outras delegacias (Foto: Marcos Ermínio)Delegado conta que projeto piloto de mediação desperta interesse de outras delegacias (Foto: Marcos Ermínio)
Investigador que idealizou projeto de Polícia Comunitária e Mediação de Conflitos (Foto: Marcos Ermínio)Investigador que idealizou projeto de Polícia Comunitária e Mediação de Conflitos (Foto: Marcos Ermínio)

Do outro lado de Campo Grande, na região das Moreninhas, existe um projeto piloto de Polícia Comunitária e Mediação de Conflitos, na 4ª Delegacia de Polícia, que acalma os ânimos e procura ajudar pessoas que possuem conflitos. De acordo com o idealizador do projeto, o investigador Francisco de Melo, o objetivo é encontrar formas de lidar com conflitos e crimes de menor potencial ofensivo, como injúria e pequenas ameaças.

“Eu faço mediação. Sem impor e sem opinar, ajudo as duas partes encontrarem uma solução para o problema. Quando um não quer, dois não brigam”, afirma o investigador fazendo referência ao antigo ditado popular. Já o delegado titular da 4ª DP, Devair Aparecido Francisco, lembra que esse método só pode ser aplicado quando o crime é de menor potencial ofensivo condicionado de representação, ou seja, quando a vítima decide se leva o caso à Justiça.

“Outras delegacias já se interessaram por esse projeto, que deu certo. Até o delegado de Costa Rica – a 305 quilômetros de Campo Grande – já veio aqui saber como funciona”, contou Devair. De 2009 até 2013, 1.045 medicações foram realizadas; casos que não foram parar no Judiciário por causa de um facilitador. “Ajudo as pessoas se respeitarem e entenderem como o outro é; Isso é sociabilidade, cortesia e educação”, finalizou Francisco.

Em 24 horas, 2ª briga entre vizinhos termina em assassinato na Capital
Um homem foi morto pelo vizinho, que morava no mesmo terreno, com um tiro, por volta das 19h30, na rua Mansur Contar, no bairro Los Angeles, em Campo...
Corretor de imóveis foi baleado na Rua Amazonas após discussão entre "vizinhos"
O corretor de imóveis José Eduardo Borges Daniel, 42 anos, pode ter sido baleado na madrugada de hoje (19), na frente da casa em que mora, no cruzame...
Depois de briga de animais, Policial Militar atira em cachorro de vizinho
Um homem de 42 anos registrou boletim de ocorrência dizendo que um policial militar invadiu a sua casa e atirou no seu cachorro depois de uma confusã...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions