A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


30/09/2015 06:00

Vazamento causa pânico e irrita desembargador

Edivaldo Bitencourt

Pânico – Apesar de não correr risco de serem presos, a ação do Gaeco causou pânico entre os vereadores. Eles temiam ser surpreendidos pela liminar da Justiça, determinando o afastamento, repetindo o que ocorreu com o atual presidente, Mario Cesar Oliveira (PMDB), que está afastado desde 25 de agosto deste ano.

Corre – Ao ver a notícia do Campo Grande News, quando o Gaeco confirmou os pedidos de afastamento e prisões, os vereadores ficaram desesperados. Teve parlamentar que foi espalhando a informação, de que o coordenador do grupo, Marcos Alex, tinha deixado o órgão para “dar uma volta”.

Boatos – O primeiro boato do dia mobilizou os jornalistas durante toda a manhã. A informação era de que o prefeito afastado, Gilmar Olarte (PP), iria ao Gaeco para dar provas de boa vontade e de que não havia motivos para a decretação da prisão preventiva. No entanto, ele não apareceu.

Investigação – Apenas o advogado de Olarte, Jail Azambuja, compareceu ao Tribunal de Justiça. Ele foi cobrar uma posição da Justiça sobre o vazamento dos pedidos de prisão de Olarte e do empresário João Amorim, dono da Proteco.

Seja feita – O prefeito da Capital, Alcides Bernal (PP), evitou comentar o pedido de prisão do inimigo e antecessor, Gilmar Olarte. No entanto, fez questão de frisar que espera o pleno funcionamento das instituições e que a Justiça seja feita.

Lamentação – Bernal voltou a destacar que é alvo de uma conspiração do mal. “Estamos sofrendo com a atuação de um pequeno, mas poderoso grupo, que quer desestruturar Campo Grande”, citou, sem mencionar nomes dos inimigos. Ele disse que está sob ataque para desestabilizar sua administração.

Inimigo oculto – O prefeito também disse que há pessoas interessadas em implantar a discórdia no município. Como exemplo, falou sobre o presidente do Sindicato dos Servidores Administrativos, Marcos Tabosa, que comandou protesto dos administrativos da educação na segunda-feira. No entanto, aconselhou os munícipes a se darem as mãos.

Republicano – Sob risco de serem afastados, os vereadores foram ao ataque contra Bernal na sessão de ontem. Eles acusaram o prefeito de não ser “republicano”com o legislativo e citaram, como exemplo, o fato de querer colocar os vereadores na antiga rodoviária. Bernal disse que é republicano e defende as instituições.

Dúvida – Em caso de afastamento dos 17 vereadores, o legislativo deve convocar os suplentes. No entanto, a Procuradoria Jurídica da Câmara não quis esclarecer, ontem, quais os procedimentos serão tomados em caso do afastamento. Se ninguém for chamado, a Câmara Municipal para por falta de quórum.

Boatos – O desembargador Luiz Cláudio Bonassini da Silva, responsável pela análise do pedido de prisões e afastamentos, ficou irritado com o vazamento. Mas pior ficou a situação de Olarte e Amorim, que vivem a tensão de serem presos a qualquer momento.

(colaboraram Antonio Marques, Michel Faustino e Paulo Yafusso)

A missão espinhosa de Marun
Casa cheia - No discurso em que saudou Carlos Marun como seu novo ministro da Secretaria de Governo, Michel Temer disse ter ficado preocupado com a p...
Só praças estão presos por cobrar propina
Só praças – A investigação sobre o envolvimento de policiais militares com a “Máfia do Cigarro” indica que, por ora, não há oficiais entre os policia...
Pezão pede dica a Reinaldo sobre dívida
Pedido de ajuda - Ao anunciar ontem o depósito do décimo-terceiro salário dos servidores, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) reforçou o discurso d...
Após "perder" cargo, deputado muda o tom
Mudou – Antes cotado para assumir uma secretaria do governo do Estado, o deputado Coronel David (PSC) está agindo ultimamente como oposição ao Govern...


Desde que Bernal assumiu em 2013, a principal ocupação da Câmara era perseguir e buscar motivos para cultivar uma imagem negativa do mesmo. O fato dele ser prudente e não "assinar" documentos em branco, querendo se certificar dos conteúdos do que assina, é traduzido como centralizador ou autoritário. O "armário" estava bagunçado pelas gestões anteriores e ele quis arrumar do seu jeito. Assim entenderam que não servia para o cargo e sem dó deram-lhe o cartão vermelho deixando a imprensa à vontade para jogar tudo no ventilador. Agora querem que as coisas rolem por debaixo do pano? Na gestão Olarte ficaram cegos ou coniventes com a roubalheira, agora estão querendo ser tratados com respeito e com privilégios? Hipócritas, sintam na pele o outro lado da moeda.
 
Sentinela em 30/09/2015 07:16:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions