ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  11    CAMPO GRANDE 15º

Comportamento

Até onça é cancelada na internet após matar capivara no Pantanal

O “tribunal da internet” não descansa e chega ao ponto de dizer que onça deveria ser vegana

Por Jéssica Fernandes | 12/04/2022 11:35
Onça-pintada foi flagrada matando uma capivara no Pantanal de MS. (Foto: João Pedro Salgado)
Onça-pintada foi flagrada matando uma capivara no Pantanal de MS. (Foto: João Pedro Salgado)

O registro fotográfico que mostra uma onça-pintada caçando uma capivara em Miranda, a 208 quilômetros de Campo Grande, causou repercussão na internet. No Twitter, a postagem rendeu comentários onde as pessoas promoveram um cancelamento do felino por matar e comer o mamífero roedor. Na ocasião, internautas sugeriram que o fotógrafo deveria ter impedido a situação e outros afirmaram que a cena era uma romantização da natureza.

Ontem (11), o Campo Grande News fez uma matéria para falar sobre o registro inédito realizado pelo estudante e fotógrafo João Pedro Salgado, de 22 anos. A cena da onça-pintada predando o animal no Pantanal sul-mato-grossense, segundo o jovem, durou cerca de 10 segundos.

Apesar de ter sido rápido, o momento de caça da onça-pintada durou tempo o suficiente para internautas cancelarem a atitude do felino. “A onça realmente precisa matar um animal menor? Eles poderiam usar essa força para ajudar esses animais a sobreviverem, mas preferem fazer parte do problema”, comentou um usuário do Twitter.

Na internet, usuários opinaram sobre a atitude da onça-pintada. (Foto: Reprodução/ Twitter)
Na internet, usuários opinaram sobre a atitude da onça-pintada. (Foto: Reprodução/ Twitter)

Enquanto uns viram problema nas fotos, outros ironizaram os comentários daqueles que criticaram o comportamento da onça-pintada. “Podiam trocar a carne de capivara por carne de soja por exemplo”, respondeu uma internauta. Já outros fizeram memes sobre a possibilidade da onça se tornar vegana ou até mesmo vegetariana.

O Lado B conversou com o biólogo e especialista em manejo e conservação de fauna silvestre Gustavo Figueirôa, de 29 anos, que explica a importância da onça-pintada exercer a caça. “O que ela fez é um controle populacional, faz parte do papel ecológico dela e do balanço ecológico. É o comportamento da natureza um animal predador o outro, é a biodiversidade interagindo do jeito que tem que acontecer”, afirma.

O especialista declarou ficar preocupado com a repercussão negativa das imagens, pois a cena é completamente aceitável. “Onças são carnívoras, comem jacarés, tatus, antas, veados e cervos. Alguém registrou a natureza acontecendo e não faz sentido as pessoas acharem que é errado”, ressalta.

Confira o vídeo na íntegra:

Fora o cancelamento da onça-pintada, algumas pessoas questionaram a atitude do fotógrafo em não intervir e salvar a capivara. De acordo com o biólogo, o estudante agiu certo, pois seria um crime tentar impedir o felino. “Além de colocar a vida dele em risco, é um crime ambiental, porque você não pode interferir, é uma importunação do animal. Ela tá caçando para se alimentar, ela pode morrer de fome ou comer outro animal”, diz.

Em relação à polêmica, João Pedro comenta que esperava que as imagens gerassem uma repercussão negativa. “Isso já era esperado sim, porque a capivara é um animal muito simpático e as pessoas se identificam com esse animal”, fala. O estudante relata que o aspecto fofo do roedor é outro fator que influenciou na situação. “Vemos registros direto de onça predando jacaré, sucuri e não existe comoção nenhuma. A capivara é um mamífero com cara de fofinho, então, causa mais comoção, sim”, opina.

Apesar do cancelamento, o fotógrafo revela que foi importante compartilhar o registro. “O importante  para mim era divulgar a foto e ela foi muito bem divulgada. Só no Twitter, ela teve mais de 6 milhões de impressões, então, sinto que meu trabalho foi bem feito”, conclui.

(*) Colaborou o repórter Guilherme Correia.

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Nos siga no Google Notícias