ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, DOMINGO  17    CAMPO GRANDE 27º

Política

Nelsinho rebate críticas e pede para Amarildo parar "de falar mentiras"

Por Kleber Clajus | 05/12/2013 12:50

O ex-prefeito de Campo Grande e atual secretário de Articulação, de Desenvolvimento Regional e dos Municípios, Nelson Trad Filho (PMDB), fez duras críticas ao presidente da CPI da Saúde, Amarildo Cruz (PT). Ele pediu ao petista que “pare de falar mentiras” sobre a administração peemedebista da Capital. Ele fez questão de relembrar “ficha corrida” do parlamentar que responde processo, movido pelo MPE (Ministério Público Estadual), por danos ao erário público avaliados em R$ 16 milhões.

“Ele falou que cometi improbidade administrativa, que concedi carta fiança para uma construtora financiada por banco falido. Pare de falar mentiras ao meu respeito que direi verdades sobre você, Amarildo Valdo da Cruz”, frisou Nelsinho no programa Povo na TV, da TV Campo Grande.

O peemedebista ressalta que Amarildo não possui motivos para questionar sua atuação enquanto prefeito, em especial na área habitacional, quando responde processo no período em que esteve à frente da AGEHAB (Agência de Habitação Popular do Estado de Mato Grosso do Sul), órgão em que o MPE detectou desvio de R$ 16 milhões.

Ao Campo Grande News, Nelsinho ressaltou que “nada ficará sem resposta e se preciso vamos a Justiça”. O ex-prefeito também diz já saber quem está por trás das articulações para “denegrir minha imagem e moral”.

“Descobri a quem ele está servindo, ao Amilton Cândido de Oliveira que era seu chefe de gabinete e hoje é diretor-presidente da EMHA (Empresa Municipal de Habitação), nomeado pelo prefeito atual”, afirmou Nelsinho.

Explicações – Em contrapartida, o peemedebista também aproveitou o momento para questionar os gastos da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Saúde, da qual Amarildo foi presidente.

“Quero saber o que eles gastaram na CPI, onde, como foi à modalidade de contratação, quem foi contratado e quanto recebeu. Creio que ainda vamos descobrir muitas coisas e vamos ver se contratou dentro do que preceitua a lei”, alfineta Nelsinho.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário