A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

10/07/2013 12:49

Contratação de médicos não resolve saúde pública de MS, diz Assomasul

Bruno Chaves

As medidas do Governo Federal para suprirem a demanda da saúde pública no País, anunciadas por meio do “Programa Mais Médicos”, não resolvem o problema da saúde dos municípios do Estado. A afirmação foi do presidente da Assomaul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Douglas Figueiredo (PSDB), que participou de reunião com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Para o presidente, “somente os médicos não resolverão, nem de perto, os problemas da saúde”, afirmou Douglas. Ele se queixou e disse que os exames solicitados pelos profissionais da saúde deixam a população à margem de qualquer dignidade.

“Quando o médico solicita, por exemplo, uma tomografia, ressonância ou outros, o SUS demora quase um ano para atender”, revelou Douglas, ao fazer questionamentos ao ministro durante reunião entre dirigentes de associações municipalistas.

Segundo a Assomasul, durante o encontro com o ministro, Douglas pontuou as deficiências no setor de saúde pública. Para ele, os recursos disponíveis são insuficientes para atender a demanda, principalmente nas cidades de pequeno porte, onde a falta de estrutura é visível.

“O Governo Federal repassa R$ 12 mil por equipe com médico, dentista, enfermeiro e técnico para o custeio local. Mas o salário do médico custa R$ 12 mil”, disse.

Além da falta de médicos, Douglas observou que os municípios também carecem de recursos para remédios, equipamentos, aparelhos e outros. “Os hospitais de pequeno porte estão sem funcionar por não terem recursos nem para manutenção de água e luz. Não se faz pequenas cirurgias e nem partos por não haver condições”, exemplifica.

Compensação por perda de verbas – Além de levantar os problemas da saúde pública de MS, o presidente da Assomasul aproveitou sua visita a Brasília para lutar por compensações financeiras, visando suprir perdas de recursos públicos por conta da queda do FPM (Fundo de Participação dos Municípios).

Para Douglas, é fundamental lutar por um adicional de mais 1% no FPM. O ideal, de acordo com o presidente, seria o governo compensar as perdas decorrentes dos últimos seis meses, quando o fundo constitucional registrou quedas acentuadas, provocando forte impacto na contabilidade das prefeituras.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions