A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

10/09/2012 08:35

Saúde, unanimidade que gera queixas de quem não paga e de quem paga

Nadyenka Castro
Paciente em corredor é exemplo de como está crítica a saúde pública. (Foto: Minamar Júnior)Paciente em corredor é exemplo de como está crítica a saúde pública. (Foto: Minamar Júnior)

Quase todo mundo tem história triste, ou de revolta, para contar quando o assunto é saúde. É demora no atendimento, dificuldade para marcar consultas e exames, plano de saúde que não autoriza procedimentos, medicamentos de alto custo que o governo não entrega de imediato. E as histórias tristes vêm de todas as classes sociais, a ponto de gerar a máxima de que a melhor saída para procurar tratamento é o Aeroporto Internacional.

Quem não tem essa possibilidade, vira personagem desse cenário, que não é exclusivo dos que dependem do SUS (Sistema Único de Saúde), mas também inclui quem tem plano de saúde. Considerando que o universo de planos de saúde e do SUS (Sistema Único de Saúde) em Campo Grande é estimado em 800 mil pessoas, população da cidade, é uma realidade que afeta a todos.

Os cerca de 190 mil clientes de planos de saúde, que paga por qualquer atendimento têm menos problemas, no entanto, quando o assunto é urgência e emergência o que manda não é o dinheiro, e sim a classificação de risco.

O Campo Grande News publica hoje uma série de matérias com quem precisa e com quem cuida da saúde com respostas à pergunta que não cala nesta área: Porque é preciso mais sofrimento para quem já está doente?.

E as respostas para esta questão são várias: pouco dinheiro, epidemia de violência urbana, falta de programas de prevenção a algumas doenças como diabetes, poucos leitos disponíveis, médicos descontentes com repasses, falta de condições de trabalho e ainda falta de comprometimento até de quem busca atendimento.

A reportagem conversou com médicos e gestores da saúde. O que eles falaram pode não ser o que todos nós gostaríamos de ouvir, mas já é um começo para entender como a saúde funciona e o porque muita coisa precisar ser melhorada, e muito.



nnguem faz nada para melhorar ao atendimento nos postos de saúde e nos 24 h, quando se precisa, nada sem falar em exames, pior ainda.
 
ana da silva em 10/09/2012 12:28:38
o que falta na verdade sao medicos para atender, nas unidades de saúde.
Eles em sua gd maioria se formam em faculdades publica, e depois nao querem trabalhar para a populacao. precisava ser obrigatorio depois de se formar exercer em orgaos publico. pois todos contribuiram para q estes medicos se formassem. nada mais justo.
 
maria helena f souza em 10/09/2012 11:50:01
os médicos do posto de saude so receita paracetamol, eu nem vou no posto, eu tomo paracetamol, eu não me auto mediquei, porque o médico ia passar paracetamol.
 
JOSEMAR ALVES VIEIRA em 10/09/2012 04:00:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions