ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEXTA  07    CAMPO GRANDE 20º

Política

Mandetta admite a possibilidade de disputar a presidência em 2022

Ex-ministro se tornou figura nacional durante a pandemia do coronavírus no Brasil

Por Leonardo Rocha | 23/07/2020 13:30
Ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, em coletiva no começo do ano (Foto: Agência Brasil)
Ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, em coletiva no começo do ano (Foto: Agência Brasil)

O ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, admitiu a possibilidade de ser candidato a presidente em 2022. Ele se tornou uma figura nacional, quando exercia o cargo no início da pandemia do coronavírus, no Brasil. Depois foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Filiado ao Democratas, Mandetta disse em entrevista à Band News, que vai atuar ativamente na eleição de 2022, podendo ser o candidato (presidente) do seu partido, caso ambos cheguem a esta decisão. Também não descartou deixar a legenda, se resolverem seguir caminhos diferentes.

Mandetta ponderou que pode disputar outros cargos na próxima eleição, citando as funções de vice-presidente, governador, vice-governador e senador da República, no entanto descartou tentar vaga na Câmara Federal, onde já exerceu dois mandatos como deputado.

O ex-ministro ainda criticou a “polarização” da política brasileira, que hoje está focada nos candidatos de esquerda e direita. Ele citou a possibilidade de se construir um caminho por meio do “centro democrático”, que segundo ele, possa respeitar as pessoas e suas questões individuais.

Logo depois de ser demitido em abril, Mandetta revelou que pretendia lançar um livro falando sobre a pandemia do coronavírus e requisitou a liberação para “voltar ao trabalho”, no entanto segue no período de “quarentena”, onde não pode assumir outro cargo público ou no setor privado, devido a participação no governo federal.

Capital - Para as eleições deste ano, ele já adiantou que pretende participar apenas no apoio, sinalizando ajuda à reeleição do prefeito Marquinhos Trad (PSD). Inclusive o seu partido (Democratas) deve lançar chapa de vereadores e não ter candidato na disputa municipal.