26/12/2018 11:09

Justiça libera diarista que matou tia atropelada durante confraternização

Pryscilla foi presa em flagrante, mas vai responder a processo em liberdade por homicídio culposo e por dirigir sob efeito de álcool.

Viviane Oliveira e Bruna Kaspary
Corpo de Ivonete foi recolhido pelos agentes da funerária e levado para o Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) (Foto: Direto das Ruas) Corpo de Ivonete foi recolhido pelos agentes da funerária e levado para o Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) (Foto: Direto das Ruas)

A Justiça liberou na manhã desta quarta-feira (26) em audiência de custódia, a diarista Pryscilla Stephan da Silva, 38 anos, que matou atropelada a tia, Ivonete Pache Stephan, 56 anos, durante confraternização de Natal na madrugada de ontem (25). O caso aconteceu por volta das 3h30 na Rua Florência Lemos, na Vila Fernanda, em Campo Grande. 

“Foi uma fatalidade. Ela está em estado de choque. A tia era uma segunda mãe para ela”, afirma a advogada Herika Ratto, que faz a defesa de Pryscilla. A diarista vai responder a processo em liberdade por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, e por dirigir sob efeito de álcool.

Caso - Testemunhas relataram que a família estava reunida, quando houve uma discussão entre Pryscilla e o marido, Paulo Gilberto de Souza Rodrigues, 29 anos, por causa da bateria de um carro. Nervosa, Pryscilla que não tem CNH (Carteira Nacional de Habilitação) tentou sair em um Fiat Fiesta roxo estacionado na garagem.

Tanto a mãe quanto a tia tentaram impedir, pois Pryscilla havia bebido, mas ela arrancou com o carro de marcha à ré e na sequência acabou atropelando e jogando a tia contra o portão. Ivonete morreu no local. A autora foi submetida ao teste de alcoolemia e o resultado foi de 0,58 miligrama de álcool por litro de sangue.

imagem transparente