ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 25º

Política

Ballock tenta, mas não convence sobre "economia" com MegaServ

Zemil Rocha e Zana Zaidan | 20/11/2013 18:23
Ballock tentando explicar hoje na Câmara a vantagem de contratar MegaServ (Foto: divulgação)
Ballock tentando explicar hoje na Câmara a vantagem de contratar MegaServ (Foto: divulgação)

O secretário municipal de Administração, Ricardo Trefzger Ballock, tentou acabar com a confusão semeada pelo secretário de Saúde, Ivandro Fonseca, quanto à susposta economia que a administração de Alcides Bernal (PP), mas deu justificativa que não convenceu os vereadores da Comissão Processante esta tarde, na Câmara de Campo Grande. Previsto para durar uma hora, o depoimento de Ballock durou quase duas horas, em razão de os secretários de outras pastas negarem conhecimento sobre contratos e dizerem que o titular da Administração é que poderia explicar.

Na depoimento de ontem à Comissão Processante, o secretário Ivandro da Fonseca afirmou que embora o preço da Total em 2012, no serviço de limpeza dos postos de saúde, fosse inferior ao da MegaServ neste ano, a possibilidade de um aditivo elevaria em mais 10% o valor do contrato. Rompendo com a Total e contratando emergencialmente a MegaServ, dentro dessa conta, não demonstrada com valores nominais, teria havido economia.

Para os vereadores da Comissão, porém, essa conta não bateu e Ballock foi instado a explicar essa suposta economia. Segundo o secretário, o contrato com a Total era de R$ 7,2 milhões em 2012. Com nova licitação, neste ano, a Total teria apresentado preço de R$ 11,8 milhões anual, acréscimo de quase 4 milhões. “Só que a Total aceitou manter o preço do contrato anterior para não perder o serviço”, disse. Os vereadores lembraram, contudo, que a MegaServ apresentou proposta de R$ 9,2 milhões, acima portanto dos R$ 7,2 milhões da Total.

Ballock contrapôs afirmando que a MegaServ iria oferecer serviço mais amplo do que a Total, alegando que era necessário porque o fluxo de atendimento nas unidades de saúde aumentou em razão da epidemia de dengue no começo do ano. Além de atender nove Unidades Básicas da Família (UBF) e quatro Unidades de Pronto Atendimento (UPA), a MegaServ também passou a fazer “limpeza das viaturas” e teria de fazer “plantão noturno”. Em decorrência disso, também aumentou o contingente de funcionários, de 293 para 302. “Aí está a economia para a prefeitura”, apontou.

Só que era menor o número de funcionários que a MegaServ empregava e depois passou para a Prefeitura, via contrato celetista temporário, em razão do atraso na definição do Pregão nº 99. Como o pregão não se encerrou no dia 27 de agosto, como estava previsto, o contrato emergencial com a MegaServ expirou e Bernal teve de contratar seus 265 faxineiros em setembro e outubro. No dia 4 de novembro, a MegaServ reassumiu o serviço e recontratou os mesmos 265 funcionários, o que revela equívoco no número informado pelo secretário ou enxugamento do quadro após a contratação emergencial.

Ainda conforme o secretário Ballock, com a contratação da MegaServ e da Salute Distribuidora de Alimentos, duas das empresas que a CPI do Calote apontou como beneficiárias da “emergência fabricada” por Bernal, a Prefeitura de Campo Grande economizou R$ 4 milhões por ano. Já com a Jagás, a economia teria sido de R$ 600 mil.

Nos siga no Google Notícias