12/09/2019 06:46

Hotel Campo Grande: novo residencial

Por Marcos Alex Azevedo de Melo (*)

Está no caminho certo a gestão do prefeito Marquinho Trad e toda sua equipe ao buscar transformar o prédio do antigo Hotel Campo Grande em apartamentos residenciais. Primeiramente devemos destacar que o imóvel encontra-se ocioso há anos, não gerando nenhuma receita tributária para o município, não criando empregos e sem perspectiva comercial alguma de natureza privada, ou seja, um monumento ao desperdício social e econômico que, segundo o próprio prefeito, corre o sério risco de implodir.

Hoje ele é o alter ego do próprio centro, tem estrutura, tem potencial, mas não deslancha.

Nesta proposta existe a possibilidade real de oferecer uma solução racional, social, econômica, para aquele espaço, observando o que preconiza a nossa própria Constituição Federal que afirma em seu Art. 5°, XXII que a todos é garantido o direito de propriedade, mais precisamente no inciso XXIII, que a propriedade atenderá sua função social.

Socialmente, de que adianta termos um centro revitalizado porém desabitado? Apesar de contar com uma excelente infraestrutura, o centro da cidade tem uma reduzida densidade populacional - a menor de Campo Grande.

Além desse olhar social da administração, temos que sopesar o aspecto econômico. Construir um novo conjunto habitacional dotado de infraestrutura custaria quanto ao poder público? E o planejamento urbano: em que local o novo conjunto habitacional seria construído? É preciso lançar um olhar estratégico sobre essas questões, não podemos apenas olhar a árvore, mas a floresta.

Economicamente, socialmente, urbanisticamente, a opção de transformar o antigo Hotel Campo Grande em um prédio residencial é muito mais favorável. Tem-se que ressaltar o fato de que nenhum futuro adquirente (mutuário) receberá nada de graça, pelo contrário, serão compradores, irão adquirir e pagar as prestações, tudo dentro de um contrato estabelecido de forma criteriosa e em consonância com a lei.

Outra questão que tem gerado preocupação reside sobre o perfil sócio econômico dos futuros residentes do empreendimento: o público-alvo desse tipo de empreendimento não pode ser pessoas de alto poder aquisitivo, para continuar mantendo a lógica da especulação imobiliária, adquirindo três ou quatro unidades e depois revendendo-as.

Os futuros proprietários devem ser trabalhadores, de preferência que trabalhem já no centro da cidade,

Com estas medidas, Campo Grande vai ter o centro revitalizado e humanizado que há tanto tempo merece.

(*) Marcos Alex Azevedo de Melo é historiador e ex-vereador de Campo Grande. 

Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
As mulheres e Einstein
Fato incomum: 1.900 mulheres discutindo agronegócio, de questões mercadológicas a tendências de tecnologia, sustentabilidade, gestão, diplomacia ambi...
A humanidade e o poder
Para enfrentar a limitação de recursos da natureza, os humanos têm que superar o egoísmo e encarar a vida com seriedade e solidariedade, estabelecend...
Diálogo de surdos
Imaginem a cena: um professor que repete, repete, repete, sempre da mesma forma, um mesmo conteúdo, em diversas classes, imaginando ter feito a parte...
imagem transparente