A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Impeachment



  • Fim de votação na Câmara dos Deputados

    Votação sobre a admissibilidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff, na Câmara dos Deputados, em Brasília, terminou às 22h45 (de MS). O último a votar foi Ronaldo Lessa, do PDT de Alagoas. O placar final foi de 367 votos favoráveis e 137 não, com sete abstenções e duas ausências. O próximo passo será a análise do processo pelo Senado, que pode determinar o afastamento de Dilma por 180 dias até o julgamento final do caso, com a possibilidade de cassação do mandato da petista.Encerramos por aqui esta transmissão minuto a minuto.

  • Maioria dos deputados aprova impeachment, que segue para o Senado

    Sessão para com comemoração no plenário, uma vez já aprovado o prosseguimento do processo que pede o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ainda faltam 36 votos, que já não podem interferir no prosseguimento do processo, que agora será apreciado no Senado. A transmissão Minuto a Minuto voltará com o resultado final. Confira agora outras notícias pelo Campo Grande News .

  • Bancada Pernambuco

    Com o voto do deputado Bruno Araújo (PSDB), favorável ao impeachment, chegam a 342 os votos necessários para dar procedimento ao processo que pede o impeachment de Dilma Rousseff. Ainda restam 36 a votar.

  • Bancada Pernambuco

    Betinho Gomes é mais um tucano a votar pelo impeachment. Falta um voto para os 342 necessários a dar prosseguimento ao processo no Congresso Nacional.

  • Bancada Pernambuco

    Augusto Coutinho (SD) vota a favor do impeachment

  • Bancada Pernambuco

    O pernambucano Anderson Ferreira, do PR, foi mais um a votar pelo impeachment. É o 338º voto contrário a Dilma.

  • Bancada Pernambuco

    "Pela ética na política", deputado André de Paulo (PSD-PE) diz sim ao impeachment .

  • Bancada Paraíba

    Mais um estado encerra votação na Câmara; 337 a favor e 126 contra. Faltam votar Sergipe, Alagoas e Pernambuco.

  • Bancada Pernambuco

    Adalberto Cavalcanti (PTB) vota contra o impeachment.

  • Bancada Paraíba

    Wellington Roberto, do PR paraibano, foi mais um a votar contra o afastamento de Dilma. “Sabendo que o impeachment não vai resolver os problemas do nosso País”, disse o parlamentar.

  • Bancada Paraíba

    Veneziano Vital do Rêgo (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Paraíba

    Último deputado a votar pela bancada da Paraíba, Wilson Filho (PTB-PB), diz que "está na hora de mudar o Brasil", a favor do impeachment.

  • Bancada Paraíba

    "O que estamos votando hoje é o combate à corrupção", declarou o deputado Rômulo Gouveia (PSD-PB) dizendo sim ao impeachment.

  • Bancada Paraíba

    Pedro Cunha Lima, PSDB, é o 334º a votar pelo impeachment de Dilma Rousseff, restando oito para somar os 342 votos necessários à continuidade do processo no Congresso Nacional.

  • Bancada Paraíba

    Manoel Junior (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Paraíba

    "A população vai reagir contra esse golpe de traíras", diz deputado Luiz Couto (PT-BT), contrário ao impeachment.

  • Bancada Paraíba

    O peemedebista Hugo Motta se disse convicto da necessidade de uma união nacional para retomada do crescimento no Brasil. Votou sim pelo impeachment.

  • Bancada Paraíba

    Efraim Filho (DEM) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Paraíba

    Deputado Demião Feliciano (PDT-BA) é mais um nordestino a votar não pelo afastamento de Dilma Rousseff.

  • Bancada Paraíba

    “O meu voto está fundamentado no relatório que foi aprovado na comissão especial”, disse Benjamin Maranhão, do SD, a votar pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff. “Ela é ladra”, ao citar algumas denúncias como a de irregularidades na compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobras.

  • Bancada Paraíba

    Aguinaldo Ribeiro (PP) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Bahia

    Termina votação da bancada da Bahia; até agora 329 a favor, 123 e 8 abstenções.

  • Bancada Bahia

    Último deputado a votar pela Bahia, Waldenor Pereira (PT) questionou a credibilidade do processo e disse não ao impeachment.

  • Bancada Bahia

    Valmir Assunção, do PT baiano, não abandonou Dilma e foi mais um petista a votar contra o impeachment. Citou 20 anos do massacre de Carajás, no Pará, completados hoje. “Em homenagem àqueles que deram sua vida pela reforma agrária”, disse o parlamentar durante seu voto.

  • Bancada Bahia

    Uldurico Junior (PV) vota a favor do impeachment.

  • Bancada da Bahia

    Representando "a negra nordestina que não quer mais migalha no governo federal", Tia Eron (PRB-BA) se declarou a favor do impeachment.

  • Bancada Bahia

    Sérgio Brito PSD também votou contra o impeachment.

  • Bancada Bahia

    Ronaldo Carletto (PP) vota contra o impeachment.

  • Bancada Bahia

    “O meu voto é não, senhor presidente”, disse Paulo Magalhães, do PSD.

  • Bancada Bahia

    Paulo Azi (DEM) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Bahia

    "Não é Dilma que tem que sair do Palácio. Quem tem que sair é você Cunha!" diz a deputada Moema Gramacho (PT), ao votar contra o impeachment.

  • Bancada Bahia

    “Infelizmente não vou poder votar como meu coração manda”, disse Mário Negromonte Jr. (PP), que se absteve.

  • Bancada Bahia

    "Pela Bahia e pela democracia, não!", declarou o deputado Roberto Britto (PP-BA).

  • Bancada Bahia

    Márcio Marinho (PRB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Bahia

    Sem delongas, deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB) votou sim ao impeachment.

  • Bancada Bahia

    Deputado constituinte em 1988, Jutahy Junior (PSDB) votou pelo impeachment “em respeito a todos que foram às ruas”.

  • Bancada Bahia

    José Rocha (PR) vota contra o impeachment.

  • Bancada Bahia

    José Carlos Araújo (PR) foi outro a criticar Cunha. “Agora a bola da vez é o senhor, que vai pagar por tudo que fez”. Ele votou não ao impeachment.

  • Bancada Bahia

    "Para manter minha coerência política e em respeito à constituição meu voto é não", diz o deputado José Nunes (PSD-BA).

  • Bancada Bahia

    José Carlos Aleluia (DEM) vota a favor do impeachment.

  • Bancada da Bahia

    "Vocês querem soluções para vocês e não para o Brasil, corruptos aliados", disse o deputado Jorge Solla (PT). "Aos trabalhadores que estão na rua contra o golpe eu voto não".

  • Bancada Bahia

    João Gualberto manteve o discurso dos tucanos e foi mais um do PSDB a votar pelo impeachment, não sem antes prestar homenagens ao Ministério Público Federal, ao juiz Sérgio Moro e os autores do pedido de afastamento de Dilma.

  • Bancada Bahia

    "A soberba precede a queda e que isso sirva de exemplo a todos nós", afirmou o deputado Irmão Lázaro (PSC-BA) antes de dizer sim ao impeachment.

  • Bancada Bahia

    João Carlos Bacelar (PR) vota contra o impeachment

  • Bancada Bahia

    O baiano Fernando Torres (PSD) criticou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e votou contra o impeachment de Dilma Rousseff.

  • Bancada Bahia

    Deputado Erivelton Santana (PEN-BA) vota sim pelo impeachment, acumulando 319 votos favoráveis.

  • Bancada Bahia

    Elmar Nascimento (DEM) encheu o peito de orgulho e votou sim pelo impeachment.

  • Bancada Bahia

    Félix Mendonça Júnior (PDT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Bahia

    Davidson Magalhães (PC DO B) vota contra o impeachment.

  • Bancada Bahia

    Para o demista baiano Claudio Cajado, é por um país decente, “para que os governantes brasileiros possam cumprir a Constituição e as leis brasileiras” que seu voto é sim.

  • Bancada Bahia

    "Este processo é uma farsa, é ilegal, é imoral", diz o deputado Daniel Almeida (PCdoB) ao votar não ao impeachment.

  • Bancada Bahia

    Caetano (PT) vota contra o impeachment. "Mesa de traidores e conspiradores".

  • Bancada Bahia

    Deputado Cacá Leão (PP) se absteve da votação.

  • Bancada Bahia

    Benito Gama, do PTB, votou sim pelo impeachment de Dilma.

  • Bancada Bahia

    "Pela democracia", votou não o deputado Bacelar (PTN).

  • Bancada Bahia

    Pelo PPS baiano, Arthur Oliveira Maia foi o 315º voto pelo impeachment de Dilma. “Voto na esperança de construirmos um País em que caiba a grandeza da felicidade do futuro de todos os brasileiros”.

  • Bancada Bahia

    “Se não há crime de responsabilidade, não há justificativa para impeachment e é golpe”, começou dizendo a baiana Alice Portugal, do PCdoB, ao votar contra o processo que pode afastar Dilma Rousseff do cargo.

  • Bancada Bahia

    Antonio Imbassahy (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Bahia

    Afonso Florence (PT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Bahia

    "Sr presidente, meu voto é não", diz o deputado Antonio Brito (PSD).

  • Bancada Minas Gerais

    Em Minas Gerais, maioria dos votos favoráveis ao impeachment. O placar até agora é de 313 sim e 101 não. Já são 22 os Estados que votaram.

  • Bancada Minas Gerais

    Último a votar por Minas Gerais, deputado Zé Silva (SD) se declara a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Weliton Prado, do PMB, é mais um deputado federal de Minas Gerais a votar. “Cartão vermelho para a Dilma, para o Temer, para o Cunha”. Ele votou sim pelo impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Toninho Pinheiro (PP) vota a favor do impeachment.

  • Bancada de Minas Gerais

    "Pelo Exército Brasileiro", deputado tenente Lúcio (PSB-MG) vota sim ao impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    O pedetista Subtenente Gonzaga, policial militar mineiro, lembrou que a impunidade fomenta a violência e relacionou o assunto à corrupção para votar “sim” ao impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Enfatizando "descalabro econômico e saúde aos frangalhos" deputado Saraiva Felipe (PMDB) aponta que o PMDB de Minas Gerais é unânime em dizer sim ao impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Stefano Aguiar (PSD) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado do PMDB, Rodrigo Pacheco, diz sim ao afastamento.

  • Bancada Minas Gerais

    Rodrigo de Castro (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado Renzo Bras (PP-MG) é mais um mineiro que diz sim ao impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Reginaldo Lopes (PT) votou contra o processo de afastamento de Dilma: "Querem rasgar a Constituição. Querem cassar uma presidente que não cometeu nenhum crime. Não ao golpe".

  • Bancada Minas Gerais

    Raquel Muniz (PSD) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    "Por absoluto respeito à Constituição Federal digo sim ao impedimento da presidente da República", diz o deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG).

  • Bancada Minas Gerais

    Do Partido dos Trabalhadores, Patrus Ananias (PT), vota contra impedimento de Dilma e diz que luta é contra o golpe. "Quero denunciar o golpe contra Bolsa Família, Minha Casa, Minha Vida. Não passarão".

  • Bancada Minas Gerais

    "Amanhã é um novo dia de esperança", disse o deputado Odelmo Leão (PP-MG), votando sim ao impeachment da presidente.

  • Bancada Minas Gerais

    Padre João (PT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado Newton Cardoso Jr (PMDB) disse sim.

  • Bancada Minas Gerais

    Misael Varella (DEM) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Também votou não ao impeachment o deputado Miguel Corrêa (PT-MG).

  • Bancada Minas Gerais

    Do PMDB, Mauro Lopes diz que tem gratidão ao partido e, pelo povo de Minas Gerais, vota a favor do impeachment de Dilma Rousseeff.

  • Bancada Minas Gerais

    Mário Heringer (PDT) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    "Contra o golpe, golpistas e Cunha", Margarida Salomão (PT-MG) vota contra o impeachment.

  • Bancada Bahia

    Bebeto (PSB) vota contra o impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    "Pelas tradições libertárias de Minas", também vota a favor do impeachment Marcus Pestana (PSDB). Votação pela afastamento chega 296.

  • Bancada Minas Gerais

    Marcos Montes (PSD) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado Marcelo Álvaro Antônio (PR) levou em consideração as vozes da rua e legalidade do processo e votou sim.

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado Marcelo Aro (PHS) votou sim "porque veio das Minas Gerais".

  • Bancada Minas Gerais

    Luiz Fernando Faria (PP) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado Luis Tibé (PTdoB) vota sim pelo impeachment de Dilma Rousseff.

  • Bancada Minas Gerais

    Do PRB, Lincoln Portela vai com partido e vota sim ao impeachment.

  • Deputado Leonardo Monteiro (PT-MG) diz que não reconhece a legitimidade de um processo que não tem crime, conduzido por Eduardo Cunha. Votou não ao impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Leonardo Quintão (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado Laudivio Carvalho (SD) vota sim: "Lugar de bandido é na cadeia. Tchau querida!"

  • Bancada Minas Gerais

    Júlio Delgado (PSB) vota a favor do impeachment. "Cunha a sua hora vai chegar".

  • Bancada Minas Gerais

    "Para que não vivam o que eu vivi na ditadura, eu voto não a esta fraude", gritou a deputada Jô Morais (PCdoB-MG).

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado Jaime Martins, PSD, cita família e vota sim.

  • Bancada Minas Gerais

    "Contra o golpe, contra os golpistas e contra Eduardo Cunha", deputada Margarida Salomão (PT-MG) vota não ao impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    George Hilton (PROS) vota contra o impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado Gabriel Guimarães (PT-MG) vota não ao afastamento da presidente Dilma Rousseff.

  • Bancada Minas Gerais

    Do Partido Progressista, Franklin Lima, fala ao povo brasileiro, agradece a Deus por ter sido eleito, pela mãe e até tia: "Contra corrupção e safadeza eu voto sim".

  • Bancada Minas Gerais

    Fábio Ramalho (PMDB) vota em favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    "Pelos milhões de brasileiros que vivem nas drogas e não têm ajuda, voto sim" , declara o deputado Eros Biondi (PROS-MG)

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado Eduardo Barbosa (PSDB) cita mandatos, fala de práticas rasteiras e crime de responsabilidade e vota a favor do afastamento. São 282 votos favoráveis.

  • Bancada Minas Gerais

    Domingos Sávio (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Com bandeira da inconfidência mineira, Deputado Dimas Fabiano (PP) diz sim ao impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado do PSD, Diego Andrade, vota sim, citando filhos, Estado, cidade, profissionais da saúde, etc.

  • Bancada Minas Gerais

    Delegado Edson Moreira (PR) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Do DEM, Carlos Melles diz que vota pelas crianças, famílias, pelo Estado, agricultores do café e fala sim ao impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Pela retomada do crescimento do Brasil, a deputada Dâmina Pereira (PSL-MG) votou sim ao impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Caio Narcio (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    No Rio Grande do Norte, sete votos favoráveis ao impeachment e um contra. Com isso, o placar até então é de 272 a 89.

  • Bancada Minas Gerais

    "Votar sim pelo impeachment é muito mais fácil, mas voto não, porque sou PR e não sou covarde", declara a deputada Brunny (PR-MG).

  • Bancada Minas Gerais

    Deputado Bonifácio De Andrada (PSDB), "pela democracia e Brasil", disse sim ao processo de impeachment. São 274 votos favoráveis.

  • Bancada Minas Gerais

    Bilac Pinto (PR) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    "Dilma é uma mulher honesta", diz Aelton Freitas (PR-MG) ao votar não pelo impeachment.

  • Bancada Minas Gerais

    Primeiro a votar da bancada de Minas Gerais, Adelmo Carneiro Leão (PT): "Não estou aqui para homenagear minha família, nem mesmo meu Estado ou cidade, estou aqui para fazer um julgamento". Votar impeachment só é possível com crime de responsabilidade, não havendo, é golpe, finaliza o deputado votando não.

  • Bancada Rio Grande do Norte

    "Na esperança de dias melhores e pelos 191 mil votos recebidos", deputado Walter Alves (PMDB) votou sim ao impeachment.

  • Bancada Rio Grande do Norte

    Zenaide Maia (PR) vota contra o impeachment.

  • Bancada Rio Grande do Norte

    Do PSDB, Rogério Marinho vota a favor da destituição da presidente.

  • Bancada Rio Grande do Norte

    Rafael Motta (PSB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio Grande do Norte

    Deputado Felipe Maia (DEM) votou sim, "pela constituição e futuro do Brasil".

  • Bancada Rio Grande do Norte

    Deputado Fábio Faria (PSD) vota sim "pela união do Brasil e retomada do crescimento".

  • Bancada Rio Grande do Norte

    Beto Rosado (PP) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio Grande do Norte

    Citando a Bíblia, Antônio Jacomé (PTN-RN) vota sim pelo impeachment.

  • Bancada Rio Grande do Norte

    Em respeito à Constituição, o deputado Felipe Maia (DEM-RN) pediu mudanças e votou sim ao impeachment.

  • Bancada Piauí

    A bancada do Piauí foi a 20ª a votar na Câmara dos Deputados já nesta noite de domingo. Tudo igual por lá: cinco votos para cada lado. Placar de 265 favoráveis e 88 contrários, sendo seis abstenções.

  • Bancada Piauí

    Último a votar do Piauí, Rodrigo Martins (PSB), vota a favor da destituição.

  • Bancada Piauí

    Rejane Dias (PT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Piauí

    Deputado Paes Landim (PTB-PI) diz não ao afastamento de Dilma Rousseff.

  • Bancada Piauí

    Mais um deputado do PMDB, Marcelo Castro, vota contra impeachment: "Não há crime. Todo este processo é forjado".

  • Bancada Piauí

    Deputada Iracema Portella (PP-PI) disse que, com tristeza, vota sim.

  • Bancada Piauí

    Júlio Cesar (PSD) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Piauí

    Do PSB, Heráclito Fortes vota a favor de impeachment de Dilma.

  • Bancada Piauí

    Capitão Fábio Abreu (PTB) vota contra o impeachment.

  • Bancada Espírito Santo

    Na 19ª bancada, os deputados do Espírito Santo ampliam a vantagem sobre o sim em relação ao não na análise da admissibilidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Foram oito votos favoráveis ao impeachment e dois contrários. O placar é 260 a 83.

  • Bancada Piauí

    Primeiro a votar do Piauí, Assis Carvalho (PT): "no combate a corrupção, ao Eduardo Cunha".

  • Bancada Piauí

    "Não vamos desistir do Brasil", disse o deputado Átila Lira (PSB-PI), votando sim pelo impeachment.

  • Camâra Espírito Santo

    "Precisamos construir um novo governo em que haja diálogo", diz o deputado Paulo Foletto (PSB-RJ), ao dizer sim ao impeachment.

  • Bancada Espírito Santo

    Processo ganha mais um voto a favor do impeachment; Max Filho, do PSDB, disse sim.

  • Bancada Espírito Santo

    Sergio Vidigal (PDT) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Na bancada do Rio de Janeiro, foram 33 deputados votando a favor e 11 contra o impeachment. É o 18º Estado a votar.

  • Bancada Espírito Santo

    Marcus Vicente (PP) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Espírito Santo

    Em resposta aos milhares de brasileiros pelas ruas do País, o deputado Lelo Coimbra (PMDB-RJ) disse sim ao impeachment, para "responsabilizar o governo pela crise na economia".

  • Bancada Espírito Santo

    "Ele não tem moral nem ética para estar aqui", diz deputado Helder Salomão (PT) sobre Cunha e seu voto é contra o "golpe". São 83 votos contrários.

  • Bancada Espírito Santo

    Givaldo Vieira (PT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Espírito Santo

    Deputado Evair de Melo (PV-ES) também vota sim pelo afastamento de Dilma Rousseff.

  • Bancada Espírito Santo

    PHS, Dr. Jorge Silva votou sim ao processo de impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Criticando o caráter de Eduardo Cunha, deputado Wadih Damous (PT-RJ) vota contra o impeachment.

  • Bancada Espírito Santo

    Carlos Manato (SD) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    "Pelos evangélicos", também vota sim no processo de destituição o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM). "Lula e Dilma na cadeia".

  • Bancada Rio de Janeiro

    Soraya Santos (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Em apoio ao movimento das ruas, deputado Simão Sessim (PP-RJ), de Nilópolis, vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Deputado do PMDB, Sergio Zveiter, votou sim "pela responsabilidade, pelos advogados, Estado do Rio de Janeiro".

  • Bancada Rio de Janeiro

    Rosangela Gomes (PRB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) é mais um carioca a votar sim pelo impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Do PRB, Roberto Sales vota pela continuidade do processo.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Representando o norte e noroeste do Rio de Janeiro, deputado Paulo Feijó (PR-RJ) votou sim ao impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Pedro Paulo (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Deputado Otavio Leite (PSDB) também vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Miro Teixeira (Rede) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    "Nunca ouvi tantas vezes falarem o nome de Deus em vão", disse o deputado Luiz Sérgio (PT), ao votar não ao impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Deputado Marcos Soarem (DEM-RJ) votou sim, a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Marcelo Matos (PHS) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Do PMDB, deputado Marco Antônio Cabral vota sim. Placar está 239 a favor.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Deputado Luiz Carlos Ramos (PTN) vota sim no processo de impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Leonardo Picciani (PMDB) vota contra o impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Sem respeitar o tempo de oito segundos e criticando o assistencialismo do atual governo, deputado Júlio Lopes (PP-RJ) votou a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Deputado Otavio Leite (PSDB) também vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    "Durma com essa: canalhas! Estou constrangido de participar desta farsa. Conduzido por um ladrão e vendidos", Jean Wyllys (PSOL) vota não "ao golpe":

  • Bancada Rio de Janeiro

    Jair Bolsonaro (PSC-RJ) diz sim ao impeachment, sob vaias ao parabenizar o presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

  • Rio de Janeiro

    Jandira Feghali (Pcdob) vota contra o impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Indio da Costa, do PSD, vota a favor do afastamento de Dilma Rousseff (PT).

  • Bancada Rio de Janeiro

    Citando Zumbi dos Palmares, deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) vota não pelo impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Hugo Leal (PSB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Deputado Francisco Floriano (DEM) agradeceu ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o relator do parecer contra Dilma: "Chega o momento de se valer da Constituição e ouvir as vozes do povo. Voto sim ao impeachment".

  • Bancada Rio de Janeiro

    Fernando Jordão (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    De Nova Iguaçu e pelos brasileiros desempregados, deputado Felipe Bornier (PROS) disse sim ao impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Ezequiel Teixeira, do PTN, votou a favor do impeachment de Dilma.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Eduardo Cunha (PMDB) vota a favor do impeachment. Ele é o presidente da Câmara Federal. "Deus tenha misericórdia desta nação, voto sim".

  • Bancada Rio de Janeiro

    Deputado Dr João (PR-RJ) também vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Também vota a favor do impeachment Deley, do PTB.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Cristiane Brasil (PTB) vota a favor do impeachment. "Em homenagem ao meu pai Roberto Jeferson".

  • Bancada Rio de Janeiro

    Em licença maternidade, deputada Clarissa Garotinho (PR) não vota em plenário.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Do PT, Chico D'angelo vota contra impeachment: "Dilma é legítima e não cometeu nenhum crime".

  • Bancada Rio de Janeiro

    Chico Alencar (PSOL) vota contra o impeachment. "Contra a hipocrisia de corruptos, e o condutor ilegítimo que está sentado na mesa da Câmara".

  • Bancada Rio de Janeiro

    Deputado Celso Pansera (PMDB-RJ) diz que é preciso manter a esperança de quem ainda sonha com uma casa própria e das famílias da baixada fluminense que dependem do bolsa família. "Pedalada fiscal não é crime e voto não".

  • Bancada Rio de Janeiro

    "Em nome do senhor Jesus eu profetizo sua queda", diz Cabo Daciolo (Ptdob) em referência a Cunha e vota sim contra Dilma.

  • Bancada Rio de Janeiro

    De Duque de Caxias, deputado Aureo (SD) votou sim pelo impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Benedita da Silva (PT) vota contra o impeachment. "Em nome da Constituição que prometi a cumprir, aos pobres e necessitados e 54 milhões".

  • Bancada Rio de Janeiro

    Deputado Arolde De Oliveira (PSC), "com amor", vota a favor do processo de impeachment.

  • Bancada Ceará

    No Ceará, pela primeira vez a votação termina com mais votos contra o impeachment. Foram 11 contra e nove a favor. Foi a 17ª bancada a votar, com placar de 219 favoráveis e 70 contrários e cinco abstenções.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Deputado Alexandre Valle (PR-RJ) votou sim, representando os cariocas.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Altineu Côrtes (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Alessandro Molon (Rede) vota contra o impeachment.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Do PMDB, deputado Alexandre Serfiotis vota sim "por Deus, pelo pai, pela família, pela cidade...".

  • Bancada Ceará

    "Para que a esperança possa vencer o medo. Em nome dos 10 milhões de desempregados, voto sim ao impeachment", disse Vitor Valim (PMDB-CE), último deputado do Ceará a votar.

  • Bancada Ceará

    Vicente Arruda, do PDT, votou não.

  • Bancada Ceará

    Ronaldo Martins (PRB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Ceará

    Deputado Raimundo Gomes de Matos (PSDB-CE) é um dos poucos do Ceará a votar sim pelo impeachment.

  • Bancada Ceará

    Do PROS, Odorico Monteiro vota contra: "impeachment sem crime é golpe".

  • Bancada Ceará

    "Contra o golpe, pelo estado, pela constituição, voto sim!", disse Moroni Torgan (DEM-CE).

  • Bancada Ceará

    Moses Rodrigues (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Do Partido Progressista, Macedo é mais um a votar a favor.

  • Bancada Ceará

    Deputado Leônidas Cristino (PDT-CE) enalteceu sua indignação em ter que votar o impeachment de Dilma Rousseff numa sessão presidida por um réu do STF, Eduardo Cunha (PMDB). "Voto não", disse.

  • Bancada Ceará

    Luizianne Lins (PT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Ceará

    José Guimarães (PT) vota contra o processo de destituição: "em nome dos mais humildes".

  • Bancada Ceará

    José Airton Cirilo (PT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Ceará

    Pela Constituição e clamando por novas eleições, a deputada Gorete Pereira (PR-CE) se absteve de votar.

  • Bancada Ceará

    Do SD, deputado Genecias Noronha disse sim.

  • Bancada Ceará

    Domingos Neto (PSD) vota contra o impeachment.

  • Bancada Ceará

    Deputado Danilo Forte (PSB-CE) vota sim "para garantir a Constituição e pelo respeito à Lei de Responsabilidade Fiscal".

  • Bancada Ceará

    Chico Lopes (Pcdob) disse "não" e "contra a ditadura" à destituição ao processo de impeachment.

  • Bancada Ceará

    Cabo Sabino (PR) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Ceará

    Deputado Arnon Bezerra (PTB-CE) é mais um nordestino a votar contra o impeachment.

  • Bancada Ceará

    "Em defesa da democracia, estado de direito e pela população mais pobre deste País", Ariosto Holanda (PDT) vota não.

  • Bancada Ceará

    Desculpando-se com Lula e Dilma, Deputado Adail Carneiro (PP-CE) diz que vai seguir os pedidos das redes sociais e vota sim pelo impeachment.

  • Bancada Ceará

    Aníbal Gomes (PMDB) ausente

  • Bancada Maranhão

    A bancada do Maranhão foi a 16ª a votar na sessão sobre o impeachment de Dilma. Votação equilibrada, com nove favoráveis e oito contra. Resultado até o momento: 210 a favor e 59 contra.

  • Bancada Maranhão

    Último a votar do Maranhão, deputado Zé Carlos, do Partido dos Trabalhadores, vota não.

  • Bancada Maranhão

    Weverton Rocha (PDT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Maranhão

    Em desacordo com seu partido, o vice-presidente da casa, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), votou não ao impeachment.

  • Bancada Maranhão

    Do PSD, Victor Mendes vota a favor da destituição de Dilma Rousseff (PT).

  • Bancada Maranhão

    Sarney Filho (PV) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Maranhão

    "Pedalada não é crime previsto na Constituição e por isso eu voto não", disse Rubens Pereira Jr (PCdoB-MA).

  • Bancada Maranhão

    Mais um deputado vota contra o impeachment: Pedro Fernandes (PTB) diz "sem demagogia, meu voto é não".

  • Bancada Maranhão

    Juscelino Filho (DEM) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Maranhão

    Ao dizer não ao impeachment, o deputado Junior Marreca (PEN-MA) alega que democracia seria feita se o povo que está nas ruas pudesse votar de novo.

  • Bancada Maranhão

    José Reinaldo (PSB) pede desculpas a governador, diz que não pode passar por cima das perseguições e injustiças contra ele. "Desculpe, mas meu voto é sim".

  • Bancada Maranhão

    Há 44 anos na política, o ex-governador do Maranhão e ex-prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB-MA) votou sim ao impeachment.

  • Bancada Maranhão

    João Marcelo Souza (PMDB) vota contra o impeachment.

  • Bancada Maranhão

    Deputado Cleber Verde (PRB-MA) diz sim ao impeachment.

  • Bancada Maranhão

    Do PMDB, Hildo Rocha, "em respeito aos homens e mulheres", diz sim.

  • Bancada São Paulo

    O Estado de São Paulo tem 70 deputados federais, compondo a maior bancada. Foi o 15º a votar na sessão que analisa admissão ou não do processo de impeachment contra Dilma. Foram 13 votos contrários ao processo, com 57 a favor. Sendo assim, o placar é de 201 a favor e 51 contra.

  • Bancada Maranhão

    Eliziane Gama (PPS) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Maranhão

    Aluisio Mendes (PTN) vota contra o impeachment.

  • Bancada Maranhão

    Pela moralidade e democracia, deputado Alberto Filho (PMDB-MA) vota sim pelo impeachment.

  • Bancada Maranhão

    Do Partido Progressista, André Fufuca diz sim.

  • Bancada São Paulo

    Vitor Lippi (PSDB) disse sim e votação a favor chega a 200 votos.

  • Bancada São Paulo

    Vinicius Carvalho (PRB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Do Partido dos Trabalhadores, Vicente Candido vota contra o impeachment de Dilma.

  • Bancada São Paulo

    Deputado Valmir Prascidelli (PT-SP) disse não ao golpe.

  • Bancada São Paulo

    Vanderlei Macris (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Tiririca, da propaganda eleitoral "pior do que 'tá' não fica," vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    "Não sou corrupto, não faço conchavo, não sou traidor da classe trabalhadora e nem sou oportunista", disse o deputado Vicentino (PT-SP) ao votar não, em representação aos negros, trabalhadores do campo e da cidade.

  • Bancada São Paulo

    Silvio Torres (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo (PRB)

    Cantor e deputado Sérgio Reis (PRB-SP) afirmou que não tem ninguém que conhece o Brasil como ele, em 58 anos de carreira percorrendo todos os estados. "Não é possível que tenhamos 10 milhões de desempregados, povo morrendo nos hospitais e ninguém faz nada", disse, ao votar sim pelo impeachment

  • Bancada São Paulo

    Rodrigo Garcia (DEM) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Deputado Samuel Moreira (PSDB) diz sim "em respeito à Constituição".

  • Bancada São Paulo

    "O povo brasileiro e a família paulista clamam por justiça", diz Roberto Alves (PRB) ao votar a favor.

  • Bancada São Paulo

    "Não ao golpe daqueles que querem tirar uma pessoa que teve 54 milhões de votos nas urnas, contra o ataque à corrupção e contra a conspiração de Eduardo Cunha e Michel Temer", o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) votou não ao impeachment.

  • Bancada São Paulo

    "O Brasil merece uma chance e nessa direção que eu voto sim", disse o deputado Roberto de Lucena (PV-SP)

  • Bancada São Paulo

    Ricardo Tripoli (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Do PTN, a deputada Renata Abreu vota a favor do processo.

  • Bancada São Paulo

    "Por amor ao Brasil", deputado Ricardo Izar (PP-SP) diz sim ao impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Pr. Marco Feliciano (PSC) vota a favor do impeachment. "Contra o partido das trevas".

  • Bancada São Paulo

    Paulo Pereira da Silva (SD) é mais um a votar a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Paulo Maluf (PP) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Deputado federal Orlando Silva (Pcdob) disse não e votos contrários chegam a 47.

  • Bancada São Paulo

    "Que Deus tenha misericórdia do nosso País", disse o deputado Paulo Freire (PR-SP) ao votar sim, em representação à Assembléia de Deus.

  • Bancada São Paulo

    Nilto Tatto (PT) vota contra o impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Alegando unanimidade em todo o PTB brasileiro, Nelson Marquezelli (PTB-SP) diz que consultou sua cidade Pirassununga e vota sim pelo impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Pela minha consciência e pela família voto sim, disse o deputado Miguel Lombardi (PR).

  • Bancada São Paulo

    Milton Monti (PR) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Missionário José Olimpio (DEM) afirma ser favorável ao processo de impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Do PSDB, Miguel Haddad também vota a favor da destituição.

  • Bancada São Paulo

    Marcio Alvino (PR) votou a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Representando a baixada santista, deputado Marcelo Squassoni (PRB-SP) vota sim pelo impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Mara Gabrilli (PSDB) é mais um deputado federal a dizer sim ao processo.

  • Bancada São Paulo

    Major Olimpio (SD) vota a favor do impeachment. "Dilma é uma vergonha", disse ele.

  • Bancada São Paulo

    A ex-prefeita de São Paulo Luiza Erundina (PSOL-SP) votou não ao impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Do PSB, Luiz Lauro Filho queria novas eleições, mas pelos eleitores, diz, votam sim para impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Keiko Ota (PSB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Jorge Tadeu Mudalen (DEM) diz sim na votação.

  • Bancada São Paulo

    Em respeito à Constituição e a um crime de responsabilidade que não existe, deputado José Mentor (PT-SP) disse não ao impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Usando a palavra de Deus e representando a igreja quadrangular, deputado Jefferson Campos (PSD-SP) vota sim ao impeachment.

  • Bancada São Paulo

    "Não aceito o corrupto Eduardo Cunha presidir qualquer sessão", deputado Ivan Valente (PSOL) dispara ao votar contra.

  • Bancada São Paulo

    João Paulo Papa (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Herculano Passos (PSD) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Deputado Guilherme Mussi (PP-SP) disse sim ao impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Do PSD, Goulart soma voto favorável ao impeachment e diz sim.

  • Bancada São Paulo

    Deputado Floriano Pesaro (PSDB-SP) votou sim pelo impedimento da presidente Dilma Rousseff.

  • Bancada São Paulo

    Gilberto Nascimento (PSC) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Também a favor, Flavinho (PSB) pronuncia o voto.

  • Bancada São Paulo

    Fausto Pinato (PP) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Deputado Evandro Gussi (PV-SP) também vota sim ao impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Eduardo Cury (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada de São Paulo

    Do DEM, Eli Corrêa Filho disse sim no processo de impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Edinho Araújo (PMDB) é mais um parlamentar a votar a favor do afastamento.

  • Bancada São Paulo

    Pelos miliares de 64, pelos evangélicos e segurando uma metralhadora imaginária, deputado Eduardo Bolsonaro (PSC) diz sim ao impeachment. "Cadeia para Lula e Dilma", finalizou.

  • Bancada São Paulo

    Duarte Nogueira (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Deputado Sinval Malheiros (PTN-SP) votou sim, alegando solidariedade ao povo brasileiro e ao setor sucroalcoleiro

  • Bancada São Paulo

    Celso Russomanno, do PRB, vota sim "pela família brasileira".

  • Bancada São Paulo

    Deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) também vota sim ao impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Carlos Zarattini (PT) vota contra o impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Deputada Bruna Furlan (PSDB-SP), de Barueri, votou sim, alegando que "maquiaram a República, mas hoje será resgatada a esperança do povo"

  • Bancada São Paulo

    Deputado Capitão Augusto (PR) votou pela continuidade do processo.

  • Bancada São Paulo

    Bruno Covas (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Baleia Rossi (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Do PRB, Beto Mansur disse sim ao processo de destituição, por Dilma "pela incompetência".

  • Bancada São Paulo

    Por um governo de reconstrução, deputado Arnaldo Jardim (PPS-SP) votou sim ao impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Arnaldo Faria de Sá (PTB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Arlindo Chinaglia (PT) vota contra o impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Andres Sanchez (PT) votou contra o impeachment: "Que decepção".

  • Bancada São Paulo

    Antônio Bulhões (PRB-SP) votou sim ao impeachment, alegando que jamais aceitaria fazer parte de um golpe, mas que este processo é constitucional.

  • Bancada São Paulo

    Ana Perugini (PT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Mato Grosso

    A bancada de Mato Grosso foi a 14ª a opinar na Câmara dos Deputados, neste domingo, sobre o impeachment de Dilma. Destaque para o voto de Valtenir Pereira, do PMDB, contrário ao processo. Foram seis favoráveis e dois contra. O placar no momento é 143 a 38.

  • Bancada São Paulo

    Também fazendo uso do jargão "thau querida", deputado Alexandre Leite (DEM-SP) vota sim ao impeachment.

  • Bancada São Paulo

    Primeiro a votar de São Paulo, Alex Manente (PPS), vota a favor do impeachment.

  • Bancada Mato Grosso

    Valtenir Pereira (PMDB) vota contra o impeachment.

  • Bancada Mato Grosso

    Votou sim pelo afastamento de Fernando de Collor e vota sim ao impeachment de Dilma Rousseff, disse o deputado Tampinha (PSD-MT).

  • Bancada Mato Grosso

    Ságuas Moraes, do Partido dos Trabalhadores, votou sim "pela democracia e contra o golpe".

  • Bancada Mato Grosso

    Professor Victório Galli (PSC) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Mato Grosso

    Do PSB, Fabio Garcia fala sim "por uma País mais justo".

  • "Ninguém vai nos dividir", diz Nilson Leitão (PSDB-MT), de Sinop, votando sim ao impeachment.

  • Bancada Tocantins

    Entre os deputados federais do Tocantins, foram seis votos favoráveis e dois contrários ao impeachment de Dilma Rousseff (PT). Com isto, o placar chega a 137 sim e 36 não.

  • Bancada Mato Grosso

    Carlos Bezerra (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • BAncada Mato Grosso

    Por Rondonópolis (MT), deputado Adilton Sachetti (PSB) diz sim ao impeachment.

  • Bancada Tocantins

    Em respeito ao voto popular, Vicentinho Júnior (PR) vota não.

  • Bancada Tocantins

    Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Tocantins

    Pela recuperação da economia brasileira, deputado Lázaro Botelho (PP-TO) votou favorável ao impeachment.

  • Bancada Tocantins

    Josi Nunes (PMDB) vota a favor "pela legalidade e moralidade".

  • Bancada Tocantins

    Irajá Abreu (PSD) vota contra o impeachment.

  • Bancada Tocantins

    Carlos Henrique Gaguim (PTN) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Acre

    Pelo fim da hipocrisia, o deputado Sibá Machado (PT-AC) disse não ao golpe.

  • Bancada Tocantins

    Deputado César Halum (PRB) vota sim.

  • Bancada Tocantins

    "Representando 139 municípios do Tocantins", deputada Dulce Miranda (PMDB-TO) votou sim ao impeachment.

  • Bancada Acre

    O Acre, 12º Estado a votar, também é representado por oito deputados federais na Câmara. Concluiu sua votação com empate: quatro a favor e quatro contra. Desta forma, o resultado até agora é 131 favoráveis e 34 contra.

  • Bancada Acre

    Rocha, do PSDB, é mais um a votar a favor: "uma eleição não dá direito de saquear o País".

  • Bancada Acre

    Leo de Brito (PT) vota contra o impeachment. "Em respeito a democracia", disse ele.

  • Bancada Acre

    Do PMDB, Flaviano Melo vota sim "pelo futuro do País".

  • Bancada Acre

    Deputada Jéssica Sales (PMDB-AC), vota sim, alegando que o bom político deve andar ao lado do povo.

  • Bancada Distrito Federal

    A 11ª bancada a votar sobre o impeachment, na Câmara dos Deputados, é a do Distrito Federal, com oito parlamentares. Foram sete votos favoráveis e um contra. Placar até agora: 127 a 30.

  • Bancada Acre

    César Messias (PSB) vota contra impeachment.

  • Bancada Acre

    Sucinto, deputado Angelim PT-AC vota não ao impeachment.

  • Bancada Acre

    Alan Rick (PRB) apresentou voto a favor do processo.

  • Bancada Distrito Federal

    Rôney Nemer (PP) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Distrito Federal

    Rogério Rosso, do PSD, votou sim.

  • Bancada Distrito Federal

    "Sem medo de ter esperança e pela nação evangélica", votou sim o deputado Ronaldo Fonseca (PROS-DF).

  • Bancada Distrito Federal

    Laerte Bessa (PR) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Distrito Federal

    Do Partido dos Trabalhadores, Erika Kokay, "contra a corrupção que está sentada na cadeira desta sessão", votou não.

  • Bancada Distrito Federal

    Envolto na bandeira do Brasil, deputado Izalci (PSDB-DF) disse sim ao impeachment.

  • Bancada Distrito Federal

    "Se 342 votos se eu tivesse, 342 eu daria para salvar o país dessa ladroagem", disse o deputado Alberto Fraga (DEM-DF), com voto sim ao impeachment.

  • Bancada Distrito Federal

    Augusto Carvalho (SD) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Goiás

    "Impeachment não é golpe", diz o deputado Thiago Peixoto (PSD) também votou a favor.

  • Bancada Goiás

    Na bancada de Goiás, vitória esmagadora do sim sobre o não. Foram 16 votos favoráveis e somente o petista Rubens Otoni votando contra. Placar até agora: 120 a 29.

  • Bancada Goiás

    Rubens Otoni (PT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Goiás

    Pedro Chaves (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Goiás

    Pela mãe de 93 anos que está em casa, deputado Roberto Balestra (PP-GO) votou sim ao impeachment.

  • Bancada Goiás

    Marcos Abrão (PPS) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Goiás

    "Pela família e País", Lucas Vergilio (SD) vota sim.

  • Bancada Goiás

    Pelos 120 mil votos que recebeu nas urnas, deputada Magda Mofatto (PR-GO) vota sim ao impeachment.

  • Bancada Goiás

    Fábio Sousa (PSDB) disse sim "pelo futuro do País".

  • Bancada Goiás

    Jovair Arantes (PTB) vota a favor do impeachment. Ele foi o relator da comissão especial na Câmara.

  • Bancada Goiás

    Heuler Cruvinel (PSD) vota a favor do processo.

  • Bancada Goiás

    Deputado João Campos (PRB-GO) votou sim "pela defesa do estado democrático de direito, contra a violência, pela defesa da família, pela dignidade do povo, pela esperança, por dias melhores". Sim pelo impeachment.

  • Bancada Goiás

    Giuseppe Vecci (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Goiás

    "Com todo respeito ao posicionamento do meu partido eu voto sim", disse a deputada Flávia Moraes (PDT-GO).

  • Bancada Goiás

    Delegado Waldir (PR) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Goiás

    Célio Silveira (PSDB) disse sim para o processo, "pelo bravo povo de Goiás".

  • Bancada Goiás

    Por achar que existem provas suficientes contra o atual governo, deputado Daniel Vilela (PMDB-GO) vota sim ao impeachment.

  • Bancada Rondônia

    Na bancada de Rondônia, a nona a votar em relação ao processo de impeachment de Dilma Rousseff, foram todos os oito votos favoráveis. Ao fim, são 104 votos pró e 28 contra, sendo três abstenções.

  • Bancada Goiás

    Alexandre Baldy (PTN) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rondônia

    Marinha Raupp, do PMDB, votou sim no processo de impeachment.

  • Bancada Rondônia

    Deputado Nilton Capichaba (PTB-RO) é mais um parlamentar de Rondônia a dizer sim ao impeachment.

  • Bancada Rondônia

    Mariana Carvalho (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rondônia

    Deputado Marcos Rogério (DEM-RO) votou "contra a corrupção estrutural e sistêmica e contra o desgoverno", dizendo sim ao impeachment.

  • Bancada Rondônia

    Do PR, o deputado Luiz Cláudio vota a favor do impeachment.

  • Bancada Amazonas

    Mais uma bancada conclui sua votação, a do Amazonas. Ao fim do oitavo Estado a votar na Câmara dos Deputados sobre o impeachment de Dilma, são 96 votos a favor e 28 contrários, com três abstenções.

  • Bancada Rondônia

    Expedito Netto (PSD) diz sim ao impeachment hoje e diz que votará amanhã o do presidente da Câmara dos Deputados.

  • Bancada Rondônia

    Lucio Mosquini (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rondônia

    Com homenagens a conhecidos e amigos, deputado Lindomar Garçon (PRB-RO) também vota sim.

  • Bancada Amazonas

    Silas Câmara (PRB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Amazonas

    Do PMDB, Marcos Rotta vota a favor do impeachment.

  • Bancada Amazonas

    Também "pelo Amazonas" Deputado Pauderney Avelino (DEM-AM) vota sim ao impeachment.

  • Bancada Amazonas

    Hissa Abrahão (PDT) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Amazonas

    Deputada Conceição Sampaio (PP-AM) pediu a Deus misericórdia à nação, que sai desse processo sem vencedores. "Pela Amazônia e pelo Brasil, meu voto é sim", disse.

  • Bancada Amazonas

    Átila Lins, do PSD, disse sim ao processo de impeachment.

  • Bancada Amazonas

    Arthur Virgílio Bisneto (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Mato Grosso do Sul

    Zeca Do PT votou contra o processo de impeachment.

  • Bancada Mato Grosso do Sul

    Os oito deputados federais de Mato Grosso do Sul acabam de votar. Foi a sétima bancada a opinar na Câmara. Mantendo as previsões, foram 5 votos a favor e 3 contra o impeachment de Dilma, com direito a “tchau, querida” de Elizeu Dionízio (PSDB) e “pela morena mais linda do Brasil” de Luiz Henrique Mandetta (DEM), com Zeca lembrando citando “canalhas, canalhas, canalhas” de Tancredo Neves. O placar ao final é de 88 a 28.

  • Bancada Amazonas

    Abrindo a votação da bancada amazonense, deputado Alfredo Nascimento (PR-AM) alega que, majoritariamente, o povo do Amazonas vota sim pelo impedimento.

  • Bancada Mato Grosso do Sul

    Vander Loubet (PT) vota contra o impeachment. "Sem crime é golpe".

  • Bancada Mato Grosso do Sul

    Por todos do Mato Grosso do Sul que foram às ruas e pelos agricultores, deputada Tereza Cristina (PSB-MS) votou sim ao impeachment.

  • Bancada Mato Grosso do Sul

    Dizendo “Tchau querida” o deputado Elizio Dionizio (PSDB-MS) vota sim ao impeachment.

  • Bancada Mato Grosso do Sul

    Luiz Henrique Mandetta (DEM) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Mato Grosso do Sul

    Geraldo Resende (PSDB) vota a favor do impeachment. "Em respeito a Dourados e MS, eu voto sim", disse ele.

  • Bancada Mato Grosso do Sul

    Fazendo mistério até a última hora, Dagoberto Nogueira (PDT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Mato Grosso do Sul

    Carlos Marun (PMDB) vota a favor do impeachment. O país precisa de mudanças, disse ele.

  • Bancada do Paraná

    Em homenagem aos filhos da década de 60 e aos sindicalistas, Zeca Dirceu (PT-PR) foi o último da bancada do Paraná a votar e disse não o impeachment.

  • Bancada Paraná

    Os 30 deputados federais do Paraná terminaram de votar. É a sexta bancada a opinar sobre o impeachment de Dilma Rousseff (PT). O placar ao fechamento desta votação é de 83 a 25, com três abstenções.

  • Bancada Paraná

    Do PROS, Toninho Wandscheer votou a favor.

  • Bancada Paraná

    Takayama (PSC) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Paraná

    Sandro Alex, do PSD, disse sim ao impeachment.

  • Bancada Paraná

    Rubens Bueno (PPS) vota a favor do impeachment.

  • Bancada do Paraná

    "Pelo povo", deputado Sérgio Souza (PMDB-PR) vota sim.

  • Bancada Paraná

    Mais um deputado do PSDB: Paulo Martins é a favor do impeachment.

  • Bancada Paraná

    Pelos progressistas, o deputado Ricardo Barros (PP-PR) votou sim ao impeachment.

  • Bancada Paraná

    Nelson Padovani (PSDB-PA) foi o 65º a votar favorável ao impeachment.

  • Bancada Paraná

    Osmar Serraglio (PMDB) votou a favor do impeachment.

  • Bancada Paraná

    Do Partido Progressista, Nelson Meurer diz sim "pela família, município e eleitores".

  • Bancada Paraná

    Marcelo Belinati (PP) votou a favor.

  • Bancada Paraná

    Luiz Carlos Hauly (PSDB) é a favor do impeachment.

  • Bancada Paraná

    Pelo progresso, votou sim o deputado Luiz Nishimori PR-PP.

  • Bancada Paraná

    Sucinto, Leopoldo Meyer PSB-PR votou sim.

  • Bancada Paraná

    Luciano Ducci (PSB) votou a favor do impeachment.

  • Bancada Paraná

    Do PV, Leandre vota sim e votação chega 68 a favor.

  • Bancada Paraná

    João Arruda (PMDB) votou a favor do impeachment.

  • Bancada Paraná

    Giacobo (PR) votou a favor do processo.

  • Bancada Paraná

    Reclamando que o Paraná foi maltratado pelo atual governo, Evandro Roman (PSD-PR) votou sim ao impeachment.

  • Bancada Paraná

    Fernando Francischini (SD) votou a favor do impeachment.

  • Bancada Paraná

    "Contra o golpe e em respeito aos trabalhadores", Enio Verri (PT) vota não.

  • Bancada Paraná

    Também votou sim o deputado Diego Garcia (PHS-PR).

  • Bancada Paraná

    Dilceu Sperafico (PP) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Paraná

    Christiane De Souza Yared (PR) votou pela continuidade do processo.

  • Bancada Paraná

    Também votou contra o impeachment o deputado Aliel Machado (Rede-PR). “Nem Dilma, nem Temer, nem Cunha a quem chamam de ladrão. Meu voto é não”, disse.

  • Bancada Paraná

    Assis do Couto (PDT) vota contra o impeachment.

  • Bancada Paraná

    "Pela liberdade e democracia", Alfredo Kaefer (PSL) votou a favor do impeachment.

  • Bancada Pará

    “Haja coração para aguentar tanta hipocrisia”, disse o deputado Zé Geraldo (PT-PA), votando não ao que chamou de “golpe moderno”.

  • Bancada Pará

    Mais uma bancada conclui sua votação. No caso do Pará, destaque para duas peemedebistas, as deputadas Simone Morgado e Elcione Barbalho, que votaram contra o impeachment. Ao fim, o placar era de 57 votos a favor e 21 contra, com três abstenções.

  • Bancada Paraná

    Alex Canziani (PTB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Pará

    Wladimir Costa, do SD, votou sim.

  • Bancada Pará

    Votou "sim pelo futuro do Brasil" o deputado Nilson Pinto (PSDB-PA).

  • Bancada Pará

    Lúcio Vale (PR) votou contra o processo de impeachment.

  • Bancada Pará

    Simone Morgado (PMDB) vota contra o impeachment.

  • Bancada Pará

    Deputado Josué Bengston (PTB-PA) disse sim em representação à igreja quadrangular.

  • Bancada Pará

    Júlia Marinho (PSC) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Pará

    José Priante, do PMDB, é a favor do processo de impeachment.

  • Bancada Pará

    Francisco Chapadinha (PTN) disse sim.

  • Bancada Pará

    Deputado Hélio Leite (DEM-PA) votou sim “pelo Brasil”.

  • Bancada Pará

    Deputado Rotundo Edimilson Rodrigues (PSOL-PA) disse “rotundo” não.

  • Bancada Pará

    Joaquim Passarinho (PSD) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Pará

    Deputado Beto Faro (PT-PA) defendeu a constituição e o povo pobre do Brasil, votando não ao impeachment.

  • Bancada Pará

    Elcione Barbalho (PMDB) vota não ao impeachment.

  • Bancada Pará

    Do PSD, Delegado Éder Mauro disse "sim".

  • Bancada Pará

    Beto Salame (PP) se abstém do voto.

  • Bancada Pará

    Arnaldo Jordy (PPS) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Amapá

    Na bancada do Amapá, três votos pelo impeachment, quatro contra e uma abstenção. O placar é 47 sim e 15 não, com duas abstenções.

  • Bancada Amapá

    Deputado Roberto Goes (PDT-AP) votou não, “pelo desenvolvimento do Brasil”.

  • Amapá

    Vinicius Gurgel (PR) absteve do voto.

  • Bancada do Amapá

    "Nunca vi tanta hipocrisia". Também disse não a deputada Professora Marcivania (PC do B).

  • Bancada Amapá

    Deputada Jozi Araújo (PTN-AP) vota não ao impeachment, totalizando 13 votos contrários.

  • Amapá

    Marcos Reategui (PSD) vota a favor do impeachment.

  • Bancada do Amapá

    Do PSB, Janete Capiberibe votou contra o processo.

  • Bancada Amapá

    Abrindo a votação da bancada do Amapá, o deputado André Abdon (PP-AP) votou sim ao impeachment.

  • Amapá

    Cabuçu Borges (PMDB) vota a favor.

  • Bancada Santa Catarina

    Bancada de Santa Catarina conclui sua votação. Até o momento, três estados votaram. O placar é de 44 pelo impeachment, 11 não e 1 abstenção.

  • Bancada Santa Catarina

    Valdir Colatto (PMDB) também disse sim ao impeachment.

  • Bancada Santa Catarina

    Deputado Rogério Peninha Mendonça (PMSB-SC) diz sim “por toda Santa Catarina e pelo fim da corrupção”.

  • Bancada Santa Catarina

    Ronaldo Benedet (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Santa Catarina

    Do PT, Pedro Uczai vota contra.

  • Bancada Santa Catarina

    Também disse sim o deputado Marco Tebaldi (PSDB-SC).

  • Bancada Santa Catarina

    Mauro Mariani (PMDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Santa Catarina

    Jorginho Mello (PR) vota a favor do processo. 10 disseram "não".

  • Bancada Santa Catarina

    Também votou sim o deputado João Rodrigues (PSD-SC) “para quebrar a espinha dorsal dessa quadrilha”, disse.

  • Bancada Santa Catarina

    Jorge Boeira (PP) vota a favor.

  • Bancada Santa Catarina

    João Paulo Kleinübing (PSD) diz "sim" e votação chega a 36 votos.

  • Bancada Santa Catarina

    “Para dar uma chance ao Brasil voto sim”, disse o deputado Esperidião Amim (PP-SC).

  • Bancada Santa Catarina

    Geovania de Sá (PSDB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Santa Catarina

    Décio Lima (PT) vota contra o processo de impeachment.

  • Bancada Santa Catarina

    Cesar Souza (PSD) vota a favor

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Bancada do Rio Grande do Sul, segunda a votar, tem maioria pelo impeachment. Ao fim do segundo Estado a votar, o placar é de 30 sim e 9 não, com uma abstenção.

  • Bancada Santa Catarina

    Sucinto, deputado Celso Maldaner (PMDB-SC) vota sim ao impeachment.

  • Bancada Santa Catarina

    Carmen Zanotto (PPS) disse "sim" ao processo.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS): “pelos fundamentos do cristianismo voto sim”.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Renato Molling (PP) votou a favor do impeachment.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Sérgio Moraes (PTB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Deputado Pepe Vagas (PT-RS) diz não, contra o “acórdão de Eduardo Cunha, Michel Temer e Aécio Neves”.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Pompeo de Mattos (PDT) vota pela abstenção

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Paulo Pimenta (PT) votou não. "Não reconheço legitimidade no Eduardo Cunha presidir a sessão, nem o conspirador Michel Temer presidir o País".

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Deputado Noyx Lorenzoni (DEM-RS) diz: “basta à roubalheira e sim para esperança”.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Osmar Terra (PMDB) vota a favor.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Nelson Marchezan Junior (PSDB) votou a favor do impeachment.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Mauro Pereira (PMDB) vota a favor

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Lembrando a ditadura, deputada Maria do Rosário (PT-RS) vota “não ao golpe”.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Marcon (PT) disse "não" ao processo.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    De novo “pelos gaúchos e pelo Brasil” deputado diz "sim". A vez foi de Luiz Carlos Busato (PTB-RS).

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Marco Maia (PT) vota contra o impeachment

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Do PP, Luis Carlos Heinze votou a favor do processo.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Também votou “sim” o deputado José Otávio Germano (PP-RS). Todos homenageiam o Rio Grande do Sul.

  • José Fogaça, do PMDB, votou a favor do impeachment

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Deputado Jerônimo Goergen (PT-SR) vota sim “pelos filhos, por Rio Grande e pelo Brasil”.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Jose Stédile (PSB) vota a favor do impeachment

  • Bancada federal Rio Grande do Sul

    João Derly (Rede) vota sim

  • Bancada Rio Grande do Sul

    "Contra a corrupção, conspiração e golpe", Henrique Fontana (PT) votou contra processo de impeachment.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Deputado Giovani Cherini PDT-RS votou sim “pelo fim da corrupção”.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Também a favor, Darcísio Perondi (PMDB) acaba de votar.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Heitor Schuch (PSB) vota sim

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Deputado Covatti Filho (PP-RS) vota favorável ao impeachment. “Um povo sem virtude acaba por ser escravo”, parafraseou hino gaúcho.

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Danrlei de Deus Hinterholz (PSD) vota sim

  • Bancada do Rio Grande do Sul

    Carlos Gomes (PRB) votou a favor do processo

  • Bancada Rio Grande do Sul

    “Pelo fim do populismo irresponsável e corrupto eu voto sim”, diz Alceu Moreira (PMDB-RS).

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Bohn Gass (PT) vota contra o impeachment

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Afonso Motta (PDT) votou não ao impeachment

  • Bancada Roraima

    Na bancada de Roraima, a primeira a votar, foram oito votos pelo impeachment e um contra.

  • Bancada Roraima

    “Pelas próximas gerações e pelo estado de Roraima eu voto sim”, deputada Shéridan (PSDB-RR).

  • Bancada Rio Grande do Sul

    Afonso Hamm (PP) vota a favor

  • Bancada Roraima

    Jhonatan de Jesus (PRB-RR) vota sim pelo impeachment . São quatro votos a favor e um contrário ao impeachment.

  • Bancada Roraima

    Maria Helena (PSB) vota a favor do impeachment.

  • Bancada Roraima

    Remídio Monai (PR) se disse favorável ao processo.

  • Bancada Roraima

    Edio Lopes (PR) vota contra

  • Bancada Roraima

    Hiran Gonçalves (PP) votou sim.

  • Bancada Roraima

    Abel Mesquita Jr. (DEM) votou a favor do processo.

  • Bancada Rio de Janeiro

    Washington Reis - PMDB votou a favor, na frente dos demais, em função da questão médica

  • Bacada Roraima

    Deputado Carlos Andrade (PHS-RR) vota sim e sessão segue com três votos a favor do impeachment.

  • Após discurso dos líderes de 25 partidos presentes, vai começar a votação nominal dos mais de 500 deputados presentes. Cada um terá 8 segundos para dizer "sim" ou "não" ao impeachment.

  • "Golpe mortal à democracia", disse líder do governo na Câmara, José Guimarães, apontando que pouco se falou na tribuna do relatório em si. "O que estamos assistindo é ação daqueles que não foram eleitos pelo voto popular subirem no poder". Criticou o vice, Michel Temer (PMDB), que o papel não é articular o impeachment, que não mais se trata de golpe de estado. Para ele, a base tem condição de impedir o partido. Tem crise maior do que estamos vivendo aqui, no Congresso? Se quer passar o País a limpo, tem que passar primeiro aqui". Listou, por fim, os votos de cada estado. "Vamos virar o jogo". Se dirigiu a Cunha e disse que ele não deveria ter assinado a abertura, pois se trata de vingança. "Ela não merece ser cassada, a não ser por voto popular. Querem ganhar a eleição, esperem 2018".

  • Líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT), é o último inscrito a usar a tribuna do Legislativo.

  • Falando pelas minorias, Miguel Haddad (PSDB-SP), disse que houve muitos crimes cometidos pela presidente Dilma Rousseff (PT), ressaltando que o país está destroçado. "Esperava da sua liderança dias melhores, mas ficou sua tacanha ideologia, com aparelhamento das nossas instituições". Citou que o atual governo quebrou a Petrobras e o tesouro nacional. "Nos levou ao abismo, o país precisa procurar um novo rumo, Dilma deu um passo final a sua decadência, com o engano no ano eleitoral. mostrou ser uma presidente incapaz".

  • Por fim, o líder do PMB na Câmara, Weliton Prado (MG) repudiou a “negociação de cargos” feitas pelo governo e feita “a prazo” pelo vice-presidente. “Michel Temer é como um vampiro de filme de terror, que aproveitou a baixa imunidade do governo para se promover”.

  • “Michel Temer deveria estar sendo julgado neste mesmo processo. Pois, se há crime de responsabilidade para Dilma, é necessário julgar também o vice-presidente e tantos governadores, como Geraldo Alckmin em São Paulo e Aécio Neves quando governou Minas Gerais”, disse o líder do PMB na Câmara, Weliton Prado (MG).

  • Líder do PMB na Câmara, Weliton Prado (MG) reconheceu os avanços ocorridos durante a gestão de Lula, porém, criticou a presidente Dilma Rousseff. “O que Dilma fez na economia é grave, pois está retroagindo o que se conquistou nos últimos três mandatos”, disse, defendendo a reforma política e novas eleições.

  • Junior Marreca (MA), líder do PEN, disse que o relatório, que assim como as demais documentos, foi aprovado com ressalvas e não tem substâncias necessárias para "dividir o País". O julgamento é meramente política, lamenta. Disse que, na pior das hipóteses, deveria ser feita uma eleição e não tirar a presidente a força. "Não pense que, o que está acontecendo aqui é o que acontece sempre, isso é um mero acordo político para tirar a presidente".

  • Líder do PSL, Alfredo Kaefer, citou o caos econômico no país, e milhões de brasileiros que perderam o emprego. "Fato da vida real mostra uma administração que desestabilizou a economia, a democracia nos permite a erros, mas por meio de seus integrantes eleitos, tem a oportunidade de fazer esta correção". Disse que é preciso mudanças, se posicionando a favor do impeachment.

  • “No Brasil quem quer assumir o poder é o PCC: Partido da Corja do Cunha”, disse o líder do PTdoB, Silvio Costa. “Que país é esse onde um bandido que devia estar na cadeia quer tirar o mandato de uma mulher honrada?”, indagou, contabilizando os votos de cada estado contra o impeachment. “Vamos vencer por três votos. Estão com medo? Vocês perderam!”, gritou, alegando que 95% da oposição responde a processos administrativos.

  • O plenário da Câmara contabilizava 504 deputados na Casa dos quais 503 deles estavam presentes na sessão.

  • O líder Alessandro Molon (Rede-RJ) pediu por um julgamento sério no STF, sobre recursos da eleição passada e disparou contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Disse que nunca um processo como este poderia ser conduzido por um réu por corrupção, fazendo referência a Cunha. "Este processo nada tem a ver com corrupção". Disse que o processo é de chantagem e vingança e que o pedido nada tem a ver com crime, pois os atos de Dilma não violaram a lei. "O que está em jogo não é defender o governo e sim a democracia". Orientou para o voto "não" ao impeachment.

  • Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pede que os deputados não citem outros colegas em seus discursos. “Crítica tudo bem, mas não citem outros deputados. Entendam que essa não é uma sessão normal e precisa transcorrer em ordem”, disse o presidente da Câmara.

  • A favor de Dilma, Erika Kokay (PT-DF), falou na tribuna por direito de resposta.

  • Líder do PROS, Ronaldo Fonseca, diz que a maioria da bancada estará votando a favor do impeachment. "Não existe golpe no Brasil, pois a Constituição legitima a posse do vice-presidente para assumir o país em casos excepcionais". Ainda citou que a população do DF também quer a saída da presidente.

  • “Se o impeachment passar teremos um governo ilegítimo e impopular. Isso aqui é uma farsa, um espetáculo degradante”, gritou o deputado Ivan Valente (SP), em nome do PSOL.

  • A favor de Dilma, Erika Kokay (PT-DF), falou na tribuna por direito de resposta.

  • Representando o PSOL, deputado Ivan Valente (SP) leu matéria intitulada “Cunha recebeu propina R$ 50 milhões em 36 vezes”, apontando, em seu discurso “o espírito de vingança de Cunha e oportunismo e cinismo da oposição“. Para Valente, o vice-presidente , Michel Temer (PMDB) não pode assumir, já que também assinou as pedaladas fiscais. “Temer não teve nenhum voto para presidente e60% dos brasileiros o rejeita”, complementou.

  • Votação começará daqui a pouco na Câmara dos Deputados. Por enquanto, os líderes estão discursando a favor e contra o impeachment da presidente.

  • Evandro Gussi, também do PV, reiterou discurso do líder e disse que atende os "anseios" da população. "Estamos unidos ao povo brasileiro para ecoar sua voz". Dilma criou crime de responsabilidade, por isso o partido vota sim, finalizou.

  • Sarney Filho, líder do PV, disse que o País atravessa momento difícil e que, há tempos, a decisão é a favor do impeachment.

  • Deputado Givaldo Carimbão, líder do PHS, disse que sempre liberou a bancada para tomar suas próprias decisões. "Neste momento o partido tomou a decisão de votar a favor do impeachment". Porém ressaltou que ele vai votar contra o processo. "Algo natural na democracia".

  • “A corrupção está associada à marca do PT, partido que já está no DNA da corrupção no Brasil. Chega de demagogia e populismo. Os brasileiros não querem ser enganados. Querem apenas emprego e renda para sustentar suas famílias”, complementou o deputado Rubens Bueno, líder do PPS.

  • “É hora de tirar essa organização criminosa do poder para que isso nunca mais se repita”. Essa foi a tônica do discurso do líder do PPS, Rubens Bueno (PR), que chamou de “perversidade econômica” as pedalas fiscais. “Para ser reeleita, Dilma praticou a política criminosa de falsear as contas públicas. Promoveu a destruição da indústria nacional, falência de milhares empresas e desvalorizou a moeda”, disse, defendendo o impeachment.

  • Sarney Filho, líder do PV, disse que o País atravessa momento difícil e que, há tempos, a decisão é a favor do impeachment.

  • André Moura (SE), líder do PSC discursou há pouco. Agradeceu ao partido e bancada, que se "mantiveram unânimes" em todos os posicionamentos. Disse também que hoje os deputados decidem o futuro da "nossa nação". "Estamos vivendo um dos momentos de crise mais difícil". Ressaltou que, do ponto de vista jurídico, o impeachment está legal, direcionando pelo voto "sim".

  • Sobe para 100 o número de manifestantes pró impeachment que assistem a votação por meio de telão instalado em frente ao MPF, na Avenida Afonso Pena, em Campo Grande.

  • Líder do PC do B, Daniel Almeida, diz que não há fato e nem crime perante a Constituição, contra a presidente Dilma Rousseff (PT), que recebeu 54 milhões de votos. "Quem legitima o presidente é o voto popular". Ainda mencionou que se houver outro governo, já nascerá com a "mancha da ilegitimidade". Chamou, ainda, o vice-presidente de conspirador.

  • Em tom materno e citando os filhos do futuro, deputada Renata Abreu (PTN-SP) defendeu o impeachment. “Vejo um sistema surdo que atrasa a esperança. Nunca vi o povo tão desiludido e distante daqueles que jurou os representar. Por isso, decidimos estar ao lado da maioria dos brasileiros”, disse, declarando o PTN favorável ao impeachment.

  • Até o momento o plenário da Câmara contabiliza 498 deputados na Casa, sendo que 492 deles estão presentes na sessão. A oposição precisa de 342 votos para aprovar o impeachment.

  • André Moura (SE), líder do PSC começa discurso. Agradeceu ao partido e bancada, que se "mantiveram unânimes" em todos os posicionamentos. Disse também que hoje os deputados decidem o futuro da "nossa nação". "Estamos vivendo um dos momentos de crise mais difícil". Ressaltou que, do ponto de vista jurídico, o impeachment está legal, direcionando pelo voto "sim".

  • Deputado Paulinho da Força, do partido SD, usa a palavra na tribuna e aproveita para mostrar um cartaz escrito "Impeachment Já". Ele começou a cantar no plenário a famosa música de Geraldo Vandré, fazendo uma paródia da canção, citando a presidente Dilma e Lula.

  • Genecias Noronha (SD-CE) discursou agora pouco. Disse não ter mais dúvida sobre o processo de impeachment e que golpe é o que a presidente Dilma vem fazendo com a população. Citou aumentos pelo País, como a gasolina, e declara seu voto "sim"."Estou convencido de que o impeachment é a melhor saída".

  • Líder do PDT, Weverton Rocha, lembrou da formação da Constituinte, e disse que não se pode rasgar a Constituição, lembrando inclusive do ex-governador Leonel Brizola. "Ele não admitiria que esta Constituição fosse rasgada. O PDT sempre lutou a favor do trabalhador". O PDT se coloca contra o impeachment.

  • Citando mensalão e petrolão, deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) definiu a votação de hoje como uma resposta à população ansiosa. Em discurso rápido, enalteceu: “o Congresso vale muito e dará a resposta hoje. Já! Agora! Impeachment sim!”, finalizou.

  • Wilson Filho, líder do PTB, disse que o país vive com grandes problemas econômicos, e ressaltou que aquele que for governar o país precisa manter os programas sociais. "Após discutirmos e ouvirmos especialistas", ele se posicionou a favor do impeachment

  • Líder do PTB, Wilson Filho, começa seu discurso para posicionar sua bancada

  • Líder do PRB, Marcio Marinho, da Bahia, enfatizou o “desemprego e os lamentos da população, enganada por um governo que perdeu a credibilidade para gerir o país”. Declarou que os 22 parlamentares do PRB são favoráveis ao impeachment, pela certeza de que houve crime de responsabilidade fiscal.

  • Líder do DEM diz que a presidente feriu a Lei de Responsabilidade Fiscal, fala sobre a queda do PIB no país e que o Brasil conta com 10 milhões de desempregados. "Inflação e recessão resultou na falta de confiança no país". Posicionando sua bancada para votar a favor do impeachment. "Não somo conformados como antes, a população foi as ruas mostrar indignação".

  • Presidente do PT em Mato Grosso do Sul, Antônio Carlos Biffi, assiste a votação na praça Ari Coelho, junto aos manifestantes da Frente Brasil Popular, contrários ao impeachment. Segundo ele, a expectativa é que o processo de impeachment não passe pela Câmara de Deputados.

  • Líder do DEM, Pauderney Avelino, começa seu discurso sobre o impeachment

  • Líder do PSB cita Eduardo Campos e diz que sobe na tribuna, não só para falar de seu Estado, mas para todos de seu partido. Se disse frustrado com o País, relembrou eleição e vê, hoje País na crise. Impeachment é solução legal, prevista e constitucional e mais adequada neste momento, diz. "Dilma não tem condição de criar agenda mínima para tirar o País desta situação". Terminou falando de Deus e dizendo "sim" ao impeachment.

  • Começa a fala do deputado Fernando C. Filho, do PSB de Pernambuco.

  • Líder do PSD, Rogério Rosso, cita o STF que analisou as regras do processo, lembra que foi feito 11 reuniões, com audiências para esclarecer as denúncias. "Em 1992 não foi dada oportunidade para o advogado do presidente se pronunciar". Lembrando que desta houve ampla defesa. Posicionou a favor do impeachment

  • Para passar, processo precisa ter 342 votos favoráveis; votação começará por volta das 16 horas de Mato Grosso do Sul.

  • Líder do PSD, Rogério Rosso, começa sua fala no processo de impeachment

  • Em tom de propaganda partidária, deputado líder do PR, Aelton Freitas (MG), se concentrou em apresentar as ideologias libertárias do Partido Republicano. “Buscamos um ambiente plural e aberto ao diálogo, sem preconceitos e radicalismos”, discursou o deputado, citando movimentos iluminista e absolutista para defender a posição do PR contrária ao impeachment.

  • PP encerra fala, começa PR. O deputado, líder do partido, Aelton Freitas (MG), discursa sobre impeachment.

  • Líder do PP diz que fez parte do primeiro governo da presidente Dilma, encaminhou voto do partido, disse que a presidente é dedicada, mas o que está em análise é a política do governo, com a posição a favor do impeachment.

  • Nas ruas: confira movimento junto aos telões instalados na Avenida Afonso Pena, em Campo Grande. Votação é transmitida ao vivo na praça Ari Coelho para pessoas contrárias ao impeachment e na calçada do MPF aos que defendem o afastamento da presidente Dilma Rousseff.

  • Bancada do PP na Câmara anunciou recentemente o desembarque do governo.

  • Agora é a vez do PP, com a fala do líder Aguinaldo Ribeiro (PB)

  • Ex-governador do Estado, Andre Puccinelli (PMDB), acompanha sessão de votação do impeachment, neste momento, ao lado da tribuna da Câmara dos Deputados.

  • Líder do PSDB diz que o Brasil precisa reencontrar caminho da construção moral. "Um Brasil descendente e livre da impunidade". Dizendo que os tucanos irão ficar ao lado do País, votando pelo impeachment, pois o Brasil, segundo ele, não pode ser governado pela atual presidente

  • Discurso do líder do PT, Afonso Florence, da Bahia, termina com gritos de "Democracia" entoados pelos parlamentares contrários ao impeachment.

  • PSDB é o próximo a falar e orientar sua bancada. Discursa agora o deputado Antonio Imbassahy (BA).

  • O líder do PT diz que a chapa "Michel - Cunha" não vai passar e que o governo federal ainda tem o apoio da população, como de artistas. Ele anda citou que esta defesa pelo impeachment prega que a situação vai melhorar, mas não será assim na prática.

  • Mais de três mil manifestantes já estão na Esplanada dos Ministérios, de acordo Secretaria de Segurança Pública e Paz Social do Distrito Federal.

  • O deputado Afonso Florence (PT-BA) disse que achou que a Comissão teria funcionamento imparcial, mas essa percepção mudou com o tempo. Citou também o senador Aécio Neves, "citado em várias fases da Lava Jato", foi colocado para correr em manifestações, assim como outros em demais protestos.

  • Começa agora a fala do líder do PT, Afonso Florence.

  • “O fim desse processo deve ser um só: a vitória do Brasil! Viva a democracia! O PMDB vota sim”, diz líder do PMDB, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), ao encerrar seu discurso.

  • Líder do PT, Afonso Florence (PT-BA), diz que o golpe não passará, e que a defesa do impeachment diz que vai melhorar a situação, mas que o governo ainda tem apoio da população, de classe de trabalhadores e artistas. "A chapa Michel - Cunha não vai passar"

  • Líder do PMDB, Leonardo Picciani, revelou que a bancada do partido decidiu votar a favor do impeachment, após reuniões durante a semana. Também disse que a partir de amanhã será um nova etapa na política nacional

  • Depois da fala de cada líder, os deputados começarão a votar o processo de impeachment. São necessários 342 votos favoráveis para afastamento seguir para o Senado.

  • Os líderes das bancadas terão de 3 a 10 minutos, de acordo com o tamanho da cada uma. Cada um terá mais um minuto para orientar a bancada a votar pelo sim ou não, ou, ainda, liberá-la.

  • Líder do PMDB, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), é o primeiro a discursar e direcionar sua bancada.

  • Relator do parecer do impeachment, deputado Jovair Arantes (PTB-GO), termina seu discurso.

  • Líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani, disse que a bancada se reuniu nesta semana, e decidiu votar favorável impeachment. "Nós sabemos que independente do que acontecer, amanhã começa uma nova etapa da política nacional"

  • O País está doente e a saída não é outra, se não austeridade e crescimento econômico, prossegue relator em seu pronunciamento.

  • "A má fé pode ser notada pela ação ou omissão da presidente", diz o relator, ressaltando que assim existem indícios suficientes para aprovação do impeachment. "A nossa população foi enganada", citando a crise financeira, que segundo ele, foi encoberta pelo governo.

  • Relator cita que as pedaladas fiscais feitas pela presidente Dilma configuram crime de responsabilidade, previsto na Constituição Federal, e que nenhum governo anterior realizou algo parecido, como a defesa tenta passar à população. "Não é nem de longe o que foi feito nesta gestão".

  • A bancada federal de Mato Grosso do Sul será a sétima a dizer sim ou não. Dos oito parlamentares de MS, cinco se declaram favoráveis ao afastamento de Dilma.

  • Relator explica que os autores do pedido de impeachment tiveram espaço para mostrar seus argumentos, assim como a defesa da presidente Dilma Rousseff (PT), que enviou ministro e a AGU para apresentar suas justificativas

  • Dos oito deputados federais de MS, cinco são a favor do impeachment: Carlos Marun (PMDB); Geraldo Resende (PSDB); Elizeu Dionízio (PSDB); Tereza Cristina (PSB) e Luiz Henrique Mandetta. Contra: Zeca do PT; Vander Loubet (PT) e Dagoberto Nogueira (PDT).

  • Processo foi conduzido com serenidade na Comissão Especial do Impeachment, diz relator.

  • Relator do parecer diz que o impeachment não é um golpe e sim um instrumento legal e legítimo. Disse também que a Câmara cumpre um papel institucional. Começa a defender o parecer.

  • “54 milhões de votos não são suficientes para impedir o impeachment”, diz o relator Jovair Arantes (PTB-GO) em discurso de abertura. Na sequência, Eduardo Cunha (PMDB) pede que parlamentares ao redor da mesa diretora se retirem e respeitem a sessão.

  • Eduardo Cunha interrompe leitura e pede que apenas o orador fique na tribuna.

  • Cunha pede que seguranças retirem parlamentar

    O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB) reagiu a deputado em frente a mesa e pediu a retirada do parlamentar. "O senhor não pode estar aqui. Não manda nesta casa". Confusão começa.

  • Deputado de MS tenta apartar briga no começo da sessão de votação

    Deputado de MS, Carlos Marun (PMDB), tenta apartar briga na frente da mesa diretora do plenário; deputados começaram a discutir, quando Cunha vetou a presença de um parlamentar na mesa.

  • Relator tem 25 minutos para apresentar matéria a ser votada

    Após rito de abertura, relator da Comissão Especial do Impeachment, Jovair Arantes (PTB-GO), tem 25 minutos para apresentar matéria a ser votada. Gritos de "Fora PT" tomam plenário.

  • Manifestantes pró-governo caminham para a Esplanada dos Ministérios

    Vários manifestantes pró-Dilma marcham na direção do Congresso. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública cerca de 6 mil pessoas amanheceram no acampamento.

  • Sessão foi aberta às 12h58

    A sessão foi aberta oficialmente às 12h58; presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), fala sobre rito da votação.

  • Câmara dos Deputados incia sessão que votará impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT)

    Deputados já se reúnem na Câmara para a sessão que votará o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). A discussão começou agora, às 13 horas, no horário de Mato Grosso do Sul. Antes das 10 horas, o salão verde da casa já estava movimentado. Grupos pró e contra Dilma se manifestam no plenário.

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions